Fonte: OpenWeather

    Campanha


    Setembro Verde: transplantados participam de Caminhada Pela Vida

    A campanha chama a atenção para a importância da doação

    A ação faz parte das atividades do Setembro Verde | Foto: Roberto Carlos/Secom

    Manaus- Mais de mil pessoas, dentre elas pacientes transplantados do Amazonas, participaram da Caminhada pela Vida, que abriu o calendário nacional de Sensibilização para Doação de Órgãos e Tecidos neste domingo (1º), na Ponta Negra. A ação faz parte das atividades do Setembro Verde, campanha que chama a atenção para a importância da doação.

    Para a primeira mulher a se submeter a transplante de fígado no Amazonas, Tábata Nepumuceno, 38, a data ainda tem um significado mais especial. Neste dia 1° de setembro, ela completa o quarto aniversário do transplante.

    "Hoje é meu segundo aniversário. Há quatro anos, eu tive oportunidade de renascer, de receber o gesto mais nobre, uma família me doou uma vida, algo que não tem preço. É uma data de muita emoção, e eu sou muito grata. Hoje a pessoa de quem eu recebi a doação de um fígado vive em mim também", contou Tábata.

    De acordo com a coordenadora da Central de Transplantes do Amazonas, Leny Passos, o Setembro Verde foi criado para lembrar as famílias sobre a importância de doar. Cada família pode autorizar o transplante que possibilita a chance de salvar a vida de até cinco pessoas.

    Participante da caminhada neste domingo, a secretária de Atenção Especializada da Capital, Dayana Mejia de Sousa, falou sobre o envolvimento das equipes de captação de órgãos e tecidos nas unidades de saúde.

    "Estamos aqui com as principais unidades de saúde, envolvidas com o processo de captação de órgãos e conscientização no sentido de que a vida pode ser continuada. É importante que todo aquele que tem a intenção de doar órgãos informe sua família. A morte pode ser o fim para alguém, mas também pode ser a continuidade da vida para outra pessoa", ressaltou ela.

    No Amazonas, 306 órgãos foram captados pela equipe da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) do Amazonas, no período que compreende de 2011 a julho deste ano. Neste primeiro semestre, 13 órgãos foram captados; já em todo o ano passado, foram 27.

    Jairo de Freitas também é um dos transplantados que contou com a solidariedade de uma família para receber um fígado e desde 2016 comemora a chance de viver. "Setembro é um mês de muita reflexão. É um mês para você realmente ver que a vida pode continuar", disse ele durante a caminhada.

    Coordenação

    A caminhada foi organizada pela Coordenação Estadual de Transplantes, da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), em parceria com a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel), Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) e Fundação Sangue Nativo.

    Iluminação Verde – Além da caminhada, instituições do Amazonas iluminam suas fachadas com a cor verde, que simboliza a Campanha de Sensibilização para Doação de Órgãos e Tecidos em todo o Brasil. Ao todo, são 14 entidades que vão iluminar suas fachadas, dentre elas as unidades da Susam e os prédios da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), da Federação das Indústrias do Amazonas (Fieam) e do Conselho Regional de Enfermagem (Coren).

    Procedimento cirúrgico

    A coordenadora da Central de Transplantes do Amazonas, Leny Passos, explicou que o transplante de órgãos é um procedimento cirúrgico que consiste na reposição de um órgão ou tecido de uma pessoa doente (receptor) por outro órgão ou tecido normal de um doador, geralmente após morte cerebral, ou seja, com a perda completa e irreversível das funções cerebrais e que não tenha sofrido parada cardiorrespiratória.

    No estado, somente o fígado e rim são captados, em razão da logística, uma vez que tempo de isquemia – retirada de um órgão e transplante – pode levar até 48 horas e 12 horas, respectivamente. Em relação aos tecidos, o Amazonas já realizou a captação e transplante de 2.184 córneas nos últimos 16 anos; até julho deste ano, foram 101.

    Desafios

    A resistência da família e os mitos acerca da doação de órgãos dificultam a captação, segundo a coordenadora da Central de Transplantes. “É um momento muito delicado. Esperamos o momento certo de falar, mas muitas famílias têm um pensamento, um mito, sobre a doação. Pensam que o corpo vai ser deformado. A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia, e o doador pode ser velado normalmente”, disse.

    É preciso deixar claro para família, em vida, o desejo de ser um doador de órgão. A coordenadora afirma que um dos principais fatores que limita a doação de órgãos é a baixa taxa de autorização da família do doador.

    Lista de espera única

    Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e já estão aguardando em uma lista de espera única, que reúne todos os pacientes do país. A compatibilidade entre doador e receptores é determinada por exames laboratoriais, e a posição em lista é determinada com base em critérios como tempo de espera e urgência do procedimento.

    *Com informações da assessoria