Fonte: OpenWeather

    Animais


    Caçador é morto por manada de elefantes na África do Sul

    No último fim de semana, um caçador morreu ao ser pisoteado por uma manada de elefantes quando tentava fugir dos guardas no Parque Kruger, na África do Sul.

     

    Os homens estavam caçando rinocerontes e tentavam surgir dos guardas, quando foram surpreendidos pelos elefantes.
    Os homens estavam caçando rinocerontes e tentavam surgir dos guardas, quando foram surpreendidos pelos elefantes. | Foto: Reprodução

    Um caçador ilegal morreu pisoteado por elefantes em um parque da África do Sul, no último sábado (17).

    De acordo com o assessor do SanPark, Isaac Phaahla, os guardas do local observaram alguns suspeitos durante uma patrulha e iniciaram uma perseguição. “A pessoa morta e seus cúmplices fugiam dos guardas florestais quando encontraram uma manada de elefantes em época de reprodução”, informou.

    Durante a fuga, os caçadores “deixaram cair um machado e uma mochila com mantimentos”, acrescentou.

    Isaac acredita que os indivíduos provavelmente estavam caçando rinocerontes no parque natural protegido, quando ao fugir, encontraram a manada de elefantes que acabou "atropelando" o homem. 

    Elefantes na África

    De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, existem cerca de 415.000 elefantes no continente africano. Apesar da proibição internacional do comércio de marfim, dezenas de milhares de elefantes ainda são mortos a cada ano devido às suas presas.

    O Kruger Park é um dos principais destinos de safári na África do Sul e uma das maiores reservas de caça do continente, famosa por elefantes, leões, rinocerontes, tigres e búfalos.


    Leia mais
    Funcionário de zoológico morre ao levar trombada de elefante; veja

    A patrulha conseguiu deter um dos caçadores, e encontrou outro gravemente ferido – ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Um terceiro conseguiu escapar.

    Leia mais: Após chuvas intensas, sucuri é encontrada na Cidade Nova; veja o vídeo


    O administrador do parque, Gareth Coleman, disse em nota que lamenta a morte do caçador, que não teve sua identidade revelada. Segundo ele, as equipes continuam buscando pelo terceiro caçador e pediu apoio da comunidade para a sua identificação.

    O combate à caça ilegal é responsabilidade de todos nós, disse Coleman. "Ela ameaça vidas, destrói famílias e exige recursos de combate ao crime que poderiam ser usados para a criação de empregos."

    Leia mais:

    Perfume da Bota é vendido como 'milagre' para atrair parceiros no AM

    Modelo é criticada após posar nua sobre elefante ameaçado de extinção

    Elefante não deixa leopardo beber água; veja o vídeo