Fonte: OpenWeather

    OLD_spte


    Árbitro brasileiro do UFC revela que Pride já teve lutas forjadas

    Arbitro Mario Yamasaki  é um dos maiores nomes do UFC - foto: Fernando Dantas/Gazeta Press
     
    Primeiro árbitro brasileiro do UFC, o paulistano Mario Yamasaki não gosta de encenação. Sem fazer teatro ou cerimônia, Yamasaki confirmou com exclusividade que presenciou lutas forjadas ao longo de sua carreira no esporte. "Já. É ruim", resumiu.
    "Uma que sei que foi armada... Acho que não deveria nem falar, mas...", acrescentou o árbitro, muito reticente, apesar de restringir a sua revelação a eventos menos tradicionais ou já extintos – como o japonês Pride, que fez sucesso entre as décadas de 1990 e 2000 e projetou lutadores consagrados para o hoje badalado UFC.
    "No Japão, faziam muitas lutas forjadas. Em eventos um pouco menores e até mesmo no Pride já houve", avisou Yamasaki, que trabalhou na organização japonesa e também no EliteXC, citado por ele como uma vítima fatal da encenação. "Quem vê a luta forjada sabe (o que está acontecendo). Às vezes, o árbitro nem sabe (da armação). Rolava no boxe, sim. Mas o MMA não pode fazer. Quem fizer... Se fizer, (o evento) acabará", decretou.
    Os fãs da maior organização de MMA do mundo não precisam se preocupar, de acordo com Yamasaki. A encenação do UFC se resumiria a atitudes de lutadores que gostam de se autopromover, como o irreverente norte-americano Chael Sonnen, famoso no Brasil por provocações aos rivais brasileiros (chegou a vestir a camisa do Palmeiras na campanha por uma revanche contra Anderson Silva, patrocinado pelo Corinthians).
    Além de associar completamente a sua imagem ao UFC com o fim do Pride, o empreendedor Mario Yamasaki passou a comandar academias em que também ensina MMA e a coordenar cursos e eventos relacionados à modalidade. Ele não combate apenas a armação nas lutas que promove, como gostou de frisar após encerrar o assunto polêmico.
    "Outra coisa que não pode acontecer é colocar frango para lutar. A luta precisa ser contra um p... grossa ou então nem vem. Não vou arrumar luta com frango porque isso acaba tirando a credibilidade e a essência do negócio", ensinou o árbitro da mais bem-sucedida organização da história de seu esporte.