>

    Fonte: OpenWeather

    Artigo


    Catastrofização: quando nossa mente espera o pior, sempre

    A catastrofização ocorre quando fazemos uma interpretação negativa dos eventos futuros não levando em consideração resultados positivos possíveis. Leia mais no artigo do psicólogo José Trintin

    Escrito por JOSÉ TRINTIN no dia 23 de agosto de 2021 - 16:26
    | Foto: Divulgação

    As distorções cognitivas são formas equivocadas de interpretação da realidade dos fatos onde o cotidiano, com seus acontecimentos diários, permite às pessoas a possibilidade dos mais variados olhares ou formas interpretativas.

    Podemos afirmar que as distorções cognitivas são maneiras equivocadas de processar uma informação ocasionando uma série de sentimentos e emoções negativas com tendência a nos sabotar, baixando invariavelmente a auto estima com o consequente sofrimento psíquico, e, desta forma, dando margem ao medo das ações positivas que podem enriquecer nossa vida emocional.

    Qualquer pessoa pode, em algum momento da vida, passar por esta distorção e daí a importância em identificá-las dentre a inúmera lista possível para haver o adequado tratamento, diga-se de passagem, sempre muito efetivo quando identificado e tratado adequadamente.

    Existe, portanto, uma série de distorções possíveis sendo a 'catastrofização' muito frequentemente encontrada nos psicodiagnósticos à nível mundial e, consequentemente, objeto de estudo da Psicologia, principalmente pela Psicologia Cognitiva Comportamental.

    A catastrofização ocorre quando fazemos uma interpretação negativa dos eventos futuros não levando em consideração resultados positivos possíveis, o foco é no negativo. Por exemplo, citamos uma situação onde uma pessoa com quadro ansioso começa a sentir a morte próxima sem evidências reais para tal, a existência de doença grave sem qualquer evidência conclusiva, em função de eventos passados negativos desacredita em qualquer possibilidade de relacionamentos saudáveis e felizes, acredita que o pior vai acontecer, etc.

    Enfim, os pensamentos tomam conta de forma disfuncional ocasionado perda de vida plena e de bem-estar dando margem ao sofrimento emocional constante com reflexos na qualidade do sono, na disposição física, aparecimento de dores físicas sem causas evidenciadas, distúrbios do humor e, principalmente descrença em si mesmo e nas suas capacidades.

    Para equacionar a catastrofização se faz necessária a ajuda de um profissional capacitado para, através das modernas técnicas de manejo, contribuir para a reversão do quadro, pois dificilmente as pessoas conseguem sozinhas contornar tal problema, a correta identificação da distorção muitas vezes não consegue ser percebida se fazendo necessária a mudança comportamental a qual contribui efetivamente para a melhoria da qualidade de vida com um novo olhar, um novo pensamento e uma nova perspectiva de vida não vista anteriormente.

    Desta forma, evidenciada tal distorção cognitiva, procurar corrigi-las através de uma mudança nos pensamentos disfuncionais e crenças limitantes por um pensamento realista, cristalino, melhor adaptativo e funcional permite possibilidades de ser mais feliz, de ver a vida com uma perspectiva positiva, uma experiência com possibilidades reais de estar bem consigo mesmo e a partir de aí melhorar a vida social, a vida familiar, a vida conjugal plena, enfim, lutar por uma existência feliz e tranquila onde as adversidades tomam papel de desafio e não dificuldades, onde o amanhã toma uma posição expectativa positiva.

    José Trintin, psicólogo

    Leia mais

    É preciso gerenciar nossas emoções para sermos felizes

    Psicologia e felicidade

    Campanha Amazonpedia