>

    Fonte: OpenWeather

    Editorial


    EDITORIAL: Privatizar a Petrobras?

    Guedes parece não conhecer a história recente do país, pois, se soubesse, rapidamente abandonaria a ideia perigosa

    Escrito por Em Tempo* no dia 20 de outubro de 2021 - 20:17

     

    | Foto: Divulgação


    Brasília - Sem parâmetros, o ministro da Economia, Paulo Guedes, insiste em impor, de qualquer maneira, seu projeto de privatizar a Petrobras, considerada mais que um dogma para toda a população brasileira. Além disso, ninguém sabe o que acontecerá com ela caso venha a ser desestatizada.

      Guedes parece não conhecer a história recente do país, pois, se soubesse, rapidamente abandonaria a ideia perigosa. É que em 2006 essa mesma questão levou à derrota inexorável o candidato tucano à Presidência da República, o ex-governador paulista Geraldo Alckmin, salvando, assim, a reeleição do então presidente Lula, desgastado pelo escândalo do mensalão.  

    Precipitado, Alckmin, ao participar do Canal Livre da TV Band, defendeu a privatização da maior empresa estatal da América Latina. No dia seguinte, o estrago estava feito nos órgãos de imprensa. A campanha de Alckmin mudou do vinho para a água podre. Ele teve que se explicar e se desmentir até o fim do processo eleitoral.

    Agora, Paulo Guedes, do alto de sua arrogância, tenta convencer a opinião pública de que é necessário privatizar o leviatã em que teria se transformado a Petrobras, culpada pela escalada de reajustes dos preços de combustíveis e incentivadora da inflação, conforme ele.

    Mas a Petrobras é o símbolo maior do orgulho do desenvolvimento nacional, fundada pelo presidente mais popular da história republicana brasileira: Getúlio Vargas. Será que Guedes, ao querer privatizá-la, não estaria apenas escondendo a sua própria incompetência no gerenciamento da economia do país, sem medir o ônus político de sua ação nas eleições do ano que vem?

    Leia mais:

    EDITORIAL: A Zona Franca de Manaus é um sucesso

    EDITORIAL: O Refis Municipal

    CONTEXTO: PCC aumenta poder na fronteira, auxílio emergencial e mais

    Campanha Amazonpedia