Fonte: OpenWeather

    Artigo de Opinião


    É possível recuperar a economia do Amazonas?

    "Na pós-pandemia, há uma clara chance de recuperar a economia do Amazonas. Mas, de imediato, já é possível começar a agir com medidas". Opinião de Davi Almeida.

    Escrito por David Almeida no dia 30 de abril de 2020 - 16:30

    Davi Almeida
    Davi Almeida | Foto: Divulgação

    Com a curva da Covid-19 que segue no Amazonas em aceleração descontrolada, já sem UTIs disponíveis em Manaus para casos de alta complexidade, além do colapso funerário em razão do alto número de vítimas da doença - inclusive dos casos subnotificados -, não podemos perder de vista as preocupações com a atenção à saúde. Contudo, na mesma esteira, diante das necessárias medidas de distanciamento social, é importante proteger a nossa economia.

    Quando estive governador interino do Amazonas, em 2017, recebi o Estado em maio daquele ano com um déficit orçamentário milionário de R$ 694 milhões. Após as medidas econômicas que tomamos, em setembro de 2017, entregamos o orçamento do governo no azul, com superávit de R$ 458 milhões, ao elevarmos a receita tributária em R$ 843 milhões, um recorde histórico de arrecadação apenas de ICMS (R$ 765 milhões), com alta de 30,6%.

    Começamos a recuperação da economia com um plano de ajuste fiscal. Reduzimos despesas com publicidade de R$ 7,1 milhões para R$ 2,3 milhões mensais e economizamos pouco mais de R$ 1 bilhão. Retiramos o Amazonas do cadastro de inadimplentes com o governo federal (CAUC). Estancamos a “sangria” das crescentes despesas com pessoal, reduzimos o limite de endividamento do Estado de 41% para 32% e ampliamos os investimentos públicos em 25,6%.

    Hoje, diante da pandemia, as previsões para Brasil são de queda do PIB superior a 5%, a maior da sua história. Nesse cenário, a economia do Amazonas, que tem sofrido com constantes ataques, terá com o modelo Zona Franca de Manaus um importante papel na retomada do país, a partir da sua vocação de abastecer o mercado nacional com produtos de elevado teor tecnológico.

    Temos um grande parque industrial para isso. Portanto, na pós-pandemia, há uma clara chance de - sabendo o que fazer - recuperar a economia do Amazonas. Mas, de imediato, já é possível começar a agir com medidas como: desvincular todas as receitas possíveis (em caráter definitivo); suspender transferências voluntárias, exceto para a saúde ou geração de emprego e renda; facilitar pagamentos aos pequenos fornecedores; reduzir despesas de custeio da máquina, entre outras tantas ações.

    De olho mais para o futuro, os governos federal, estadual e municipal, até mesmo os empresários, devem investir em grandes obras públicas, como a pavimentação de rodovias, estradas, ramais e saneamento, em Manaus e no interior - obras geram muitos empregos.

    Outras possibilidades de reordenamento da economia estão no incentivo à formalização do trabalho e utilizar as compras públicas como indutora das pequenas empresas, MEI, agricultura familiar e novos empreendedores locais, entre outras tantas possibilidades. São ações a curto e médio prazo irão acelerar a retomada da economia.

    Mas também devemos pensar em futuro mais longínquo, com a produção de fertilizantes (temos potássio da silvinita e nitrogênio do gás natural), o manejo sustentável da madeira, a produção de grãos no Sul do Estado e a piscicultura como projeto nacional de produção de proteína animal.