>

    Fonte: OpenWeather

    Saúde


    A importância de uma boa noite de sono para o equilíbrio do organismo

    Cerca de 80% da população brasileira relata ter algum problema para dormir, segundo levantamento feito pela Associação Brasileira do Sono

    Escrito por Euler Ribeiro no dia 20 de maio de 2021 - 08:00

     

    Dormir pouco causa irritabilidade, fadigas, diminuição dos reflexos, problemas mentais, ganho de peso e pode até acelerar o processo do envelhecimento
    Dormir pouco causa irritabilidade, fadigas, diminuição dos reflexos, problemas mentais, ganho de peso e pode até acelerar o processo do envelhecimento | Foto: Divulgação


    Estamos sempre em busca de receitas milagrosas que nos tragam saúde e bem-estar, mas há algo que negligenciamos e que afeta diretamente nossa qualidade de vida: o sono. Cerca de 80% da população brasileira relata ter algum problema para dormir, segundo levantamento feito pela Associação Brasileira do Sono, e não imaginamos o quanto a privação do mesmo afeta todo nosso organismo. Sabemos que estamos vivendo um momento de muita tensão devido à pandemia: lutos, desempregos, economia familiar, medo, vários sentimentos que interferem em nossa saúde mental e acabam impactando em nosso sono.

    O sono é um mecanismo reparador do nosso sistema biológico e funciona incrivelmente como um relógio que regula muitas funções do nosso organismo. O cérebro produz o famoso hormônio da melatonina que faz uma sincronia com o ambiente. Assim somos informados que devemos descansar à noite e levantarmos com o nascer do sol.

      Quando dormimos, alguns organismos trabalham em prol da nossa saúde, como por exemplo o fígado, que inicia a desintoxicação neutralizando as toxinas geradas ao longo do dia. Já na infância o sono é fundamental para liberação do hormônio do crescimento, por isto recomendamos às crianças de 10 a 12 horas de noites bem dormidas.  



    Outros benefícios também são atribuídos ao sono reparador, como a redução do estresse, fortalecimento da imunidade e manutenção da memória, prevenindo assim várias doenças.

    Dormir pouco causa irritabilidade, fadigas, diminuição dos reflexos, problemas mentais, ganho de peso e pode até acelerar o processo do envelhecimento. O número ideal de horas a serem dormidas depende da etapa de vida, conforme a idade aumenta, a necessidade de sono diminui. Recém-nascidos devem dormir de 14 a 17 horas, crianças de até trezes anos a recomendação é de 9 a 11 horas, adolescentes de 8 a 10 horas, adultos de 7 a 9 horas e a partir de 65 anos de idade cai para 7 a 8 horas.

      Cito o exemplo dos nossos ribeirinhos, os homens das florestas que dormem e acordam cedo dormindo mais de oito horas por dia e possuem a expectativa de vida prolongada, vivendo muito mais que os homens atarefados da cidade. Sabemos que a rotina da vida moderna atrapalha, mas um pouco de dedicação com nossa saúde vale a pena.



    Busque ajuda médica caso esteja passando por transtornos do sono, mas recomendo mudanças de hábitos que podem ser praticadas por todos para melhorar a qualidade do sono como evitar alimentação pesada antes de dormir, manter o horário para deitar, evitar o uso de celular na cama, evitar a prática de exercícios físicos tarde da noite, diminuir a claridade e, o mais importante, nunca tomar remédios por conta própria.


    Leia Mais:


    Quer viver muito e morrer bem velhinho ? Veja as dicas do Dr. Euler

    Calvície: o que é e quais os fatores responsáveis pela queda de cabelo

    Tuberculose: sintomas, meios de transmissão e vacina



    Campanha Amazonpedia