>

    Fonte: OpenWeather

    editorial


    EDITORIAL: Jogo duro do TSE

    O aprovou uma série de resoluções para disciplinar o comportamento de partidos e candidatos nas eleições gerais

    Escrito por Em Tempo* no dia 13 de janeiro de 2022 - 20:40

     

    | Foto: Divulgação

    Preocupado com a pandemia e com a possibilidade de uma disputa eleitoral desprovida de ética neste ano de 2022, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou uma série de resoluções para disciplinar o comportamento de partidos e candidatos nas eleições gerais envolvendo presidente da República, governadores, senadores e deputados.

    Os ministros da Corte Eleitoral não vão admitir ataques à integridade das urnas eletrônicas, ao mesmo tempo em que, pelo conteúdo das novas resoluções, combaterá, com força, a indústria de propagação de fake news (notícias falsas) que poderão contaminar a internet e macular o processo eleitoral.

    Com relação às urnas, o TSE fará com que todas as entidades habilitadas a fiscalizar as eleições (como OAB e partidos políticos) possam acompanhar, de forma transparente, o transporte das urnas selecionadas para o teste no dia da votação. Neste dia, as urnas sorteadas para teste recebem votos de cédulas preenchidas por representantes de partidos políticos, que também são registrados paralelamente em um computador.

    Tudo é filmado, inclusive a inserção dos votos na urna eletrônica, em um ambiente monitorado. O objetivo é verificar se os números da urna coincidem exatamente com os votos impressos e os registrados no computador.

    O TSE garante que envidará todos os esforços necessários para que a desinformação não comprometa a batalha por votos e gere suspeições sobre a segurança das urnas. O Tribunal promete ser implacável contra os que tentarem burlar as resoluções, os quais serão responsabilizados criminalmente por abuso de poder e uso indevido dos meios de comunicação.

    Leia mais: 

    CONTEXTO: Alerta geral, Imunização de Crianças e mais

    EDITORIAL: Pandemia está perto do fim ? 

    CONTEXTO: Twitter exclui postagens de Malafaia, MS se posiciona e mais 

    Campanha Amazonpedia