Execução a tiros


Com criança no colo, jovem tenta comover mas é executado em Manaus

Mesmo pedindo clemência pela vida e usando a criança como escudo, Gabriel Roque foi executado a tiros

Mesmo pedindo clemência pela vida, segundo um dos policiais que atendeu a ocorrência, imediatamente, o jovem foi executado com os disparos de arma de fogo.
Mesmo pedindo clemência pela vida, segundo um dos policiais que atendeu a ocorrência, imediatamente, o jovem foi executado com os disparos de arma de fogo. | Foto: Bruna Oliveira

Manaus - Gabriel Leite La Roque, 19 anos, foi perseguido e executado dentro de uma casa na Rua Bacaba, no bairro Nova Cidade, próximo ao Cemitério dos Índios, na tarde desta segunda-feira (7). Os policiais da 15a Companhia Interativa Comunitária (Cicom), informaram que o homem foi executado com quatro tiros no rosto.

De acordo com informações de testemunhas, os criminosos chegaram na residência e disseram para  todos saírem de lá, pois, "O papo era com ele". Logo após, a vítima,  alvo dos homens armados, foi executada.

No momento da chegada dos homens, Gabriel estava com uma criança no colo e os suspeitos mandaram que ele a tirasse dali e entregasse para a mãe que em seguida saiu do local. Mesmo pedindo clemência pela vida, segundo um dos policiais que atendeu a ocorrência, imediatamente, o jovem foi executado com os disparos de arma de fogo. 

"Dois deles, adentraram a residência. Gabriel estava com a criança no colo e tentou pedir clemência pela vida e os suspeitos pediram para que ele deixasse a criança com outra pessoa e o executaram", disse o policial da 15a Cicom , João Rodrigues. 

Gabriel já possuía passagem criminosa pela polícia, por porte ilegal de arma de fogo no bairro Compensa (Zona Oeste) e estaria morando no Nova Cidade há sete meses.

O Instituto Medico Legal (IML) esteve no local e fez a remoção do corpo. A Delegacia Especializada em homicídios e sequestros (DEHS) investigará o caso.

Leia mais

Vídeo: Jacaré surpreende banhistas na praia de Açutuba, no AM

Flanelinha é preso por cobrar mulher com sexo e não dinheiro