Fonte: OpenWeather

    Fiscalização


    Festa clandestina com quase mil pessoas foi fechada neste sábado (28)

    Durante a fiscalização, também houve panfletagem pelo fim da violência contra as mulheres

    Policiais civis e militares, além do Corpo de Bombeiros e a equipe do CIF, fecharam estabelecimentos com grande aglomeração de pessoas
    Policiais civis e militares, além do Corpo de Bombeiros e a equipe do CIF, fecharam estabelecimentos com grande aglomeração de pessoas | Foto: Divulgação

    Manaus - Uma festa clandestina na Praia Dourada, com cerca de mil pessoas, foi fechada e 12 estabelecimentos, entre bares e restaurantes, foram vistoriados entre a noite de sexta-feira (27) e a madrugada de sábado (28), em Manaus, durante operação da Central Integrada de Fiscalização (CIF).

    Coordenada pela Secretaria de Segurança (SSP-AM), a operação visa garantir o cumprimento das medidas sanitárias do decreto governamental em prevenção à Covid-19.

    Na região do Tarumã, na zona oeste de Manaus, foram apuradas seis denúncias de eventos clandestinos, mas somente esta ocorrência foi confirmada. Além desse evento, a CIF interditou um estabelecimento e fechou outros quatro por questões sanitárias e por funcionamento além do horário permitido.

    Participaram da CIF policiais civis, policiais militares, Corpo de Bombeiros, Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (Immu), Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM) e Fundação de Vigilância Sanitária do Amazonas (FVS-AM).

    Segundo o comandante da operação, major Alisson Botelho, durante os trabalhos foi verificado que alguns estabelecimentos estão cumprindo o decreto e medidas de saúde. No entanto, alguns restaurantes foram flagrados com aglomeração e funcionando após o horário estabelecido.

    “Locais onde havia grande aglomeração de pessoas foram fechados. Recebemos denúncias de festas clandestinas, principalmente na área do Tarumã. Nós conseguimos flagrar uma dessas festas, que estava ocorrendo na Praia Dourada. O organizador do evento fugiu. Foram realizados procedimentos da vigilância sanitária. Foram realizadas abordagens e teste do bafômetro feito pelo Departamento de Trânsito”, informou.

    Ainda segundo o major, alguns estabelecimentos foram notificados por não possuir licença sanitária e devem pagar multa. “A CIF continua por todo final de semana a fim de fiscalizar. A população pode denunciar, que nós estamos apurando”, finalizou.

    Combate à violência contra a mulher

    A Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) participou da CIF levando abordagens educativas em alusão à campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”.

    A programação iniciou na última quarta-feira (25) e vai até o dia 9 de dezembro, promovendo uma série de atividades, como rodas de conversa nas unidades de atendimento à mulher, visitas a hospitais, ações nos terminais de ônibus, entre outras.

    De acordo com a secretária executiva de Políticas para Mulheres da Sejusc, Ana Barroncas, o objetivo da ação nos estabelecimentos foi verificar o cumprimento da Lei nº 4.926, que obriga bares e restaurantes a adotarem medidas de auxílio a mulher que se sinta em situação de risco. Quatro bares da zona centro-sul foram visitados pela equipe.

    “Conversamos com os proprietários para falar sobre a importância de se atentar à legislação estadual. Também falamos com mulheres e homens sobre o auxílio que os estabelecimentos precisam fornecer para mulheres que, por algum motivo, estão se sentindo em perigo. É de extrema importância que todas as mulheres se sintam seguras nesses locais, principalmente porque ainda existem muitas atitudes machistas que deixam esse público em situação de vulnerabilidade”, destacou.

    *Com informações da assessoria

    Leia Mais: 

    Bares e casas de show voltam a funcionar como restaurantes, diz Lima

    Linhas de ônibus voltam a circular pela ponte do bairro Educandos

    Governo do Amazonas alinha ações para combater trabalho infantil