Fonte: OpenWeather

    Execuções


    Áudios revelam trama do PCC para executar rivais da FDN e CV em Manaus

    Os áudios revelam como a facção paulista organizava a execução de rivais da FDN e do CV para conquistar território na capital amazonense

    O Cidade Alerta teve acesso, com exclusividade, a seis horas de gravações
    O Cidade Alerta teve acesso, com exclusividade, a seis horas de gravações | Foto: Divulgação

    Áudios revelam o plano que integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) tramavam contra rivais em Manaus.  O Cidade Alerta teve acesso, com exclusividade, a seis horas de gravações que detalham o planejamento das execuções

    Conforme o conteúdo, Franklin Cavalcante Nóbrega, o Frank, foi nomeado para contratar matadores em Manaus, enviar armas e organizar assassinatos. 

    Frank foi preso no dia 31 de agosto deste ano — aniversário da fundação do PCC —, em uma ação do Gaeco com apoio de policiais militares do 2º Baep (Batalhão de Ações Especiais), no fundo de uma de suas casas, na Rua José Lopes, no bairro Jardim Nova República, em Cubatão.

    Veja a reportagem!

    Segundo o promotor Hélio Junqueira de Carvalho Neto, Frank "vinha desempenhando à distância importante função na expansão do PCC no estado do Amazonas, tratando diariamente com outros inúmeros integrantes da organização, inclusive sobre ações contra membros de facções rivais".

    A denúncia foi apresentada em 25 de setembro deste ano juntamente com os promotores Silvio de Cillo Leite Loubeh e Vinicius Rodrigues França.

    De acordo com ela, "a atuação criminosa de Franklin ficou muito bem evidenciada pela análise do conteúdo do aparelho celular com ele apreendido quando de sua prisão, visto que praticamente todos os inúmeros contatos mantidos por ele no Whatsapp envolvem questões relacionadas ao PCC".

    De Cubatão para Manaus

    Com autorização da Justiça, o celular de Frank foi grampeado. Em uma ligação em conferência no em 1º de junho deste ano, ele e outros integrantes do PCC falaram sobre o remanejamento de criminosos da facção na Baixada.

    Na conversa, segundo a denúncia, Frank confirmou sua função de "Cadastro da Baixada Santista" e informou seu código no PCC (3579) e outra linha telefônica de seu uso, com o DDD 13, do litoral paulista.

    Em 30 de junho, ele confirmou sua progressão na hierarquia do PCC, segundo o MP. Frank perguntou para seu interlocutor, identificado como Bozo, em uma ligação, se "a favela estava tranquila" e questionou sobre o "mapeamento dos lixos" e sobre "colocar em prática essa situação". Segundo o MP, a conversa se referia a futuros atentados contra integrantes de facções rivais ao PCC no Norte.

    Em 28 de julho deste ano, Frank também conversou por telefone sobre um possível homicídio de um integrante do Comando Vermelho em Manaus. Seu interlocutor confirmou que um integrante do PCC "acabou de matar uma pessoa e está escondido"

    Além disso, em outras ligações, com outros integrantes do PCC, Frank "tratou da expansão do grupo no estado do Amazonas com o cadastro de novos membros, inclusive participando de vários 'batismos'", acusa a Promotoria.

    Leia mais:

    Gaeco prende 8 advogados e líder nacional de célula jurídica do PCC

    Responsáveis por massacre, chefes de facções retornam a presídio do AM

    PCC controla ações no Amazonas a partir do litoral de SP, diz MP