Fonte: OpenWeather

    Latrocínio


    Vigilante é morto após reagir a assalto na linha 640

    Conforme testemunhas, pelo menos três homens armados aterrorizaram passageiros e subtraíram pertences pessoais

     

    Esposa da vítima estava muito abalada com a notícia e precisou ser amparada por amigos
    Esposa da vítima estava muito abalada com a notícia e precisou ser amparada por amigos | Foto: Divulgação

    Manaus - O vigilante Helder Luiz Menezes de Bresson, de 49 anos, morreu na noite desta quinta-feira (15), ao ser atingido com um tiro na nuca após reagir a um assalto dentro da linha 640 do transporte coletivo urbano. O caso ocorreu na avenida Max Teixeira, na Zona Norte de Manaus.

    Conforme testemunhas, pelo menos três homens armados aterrorizaram passageiros e subtraíram pertences pessoais, além de aparelhos celulares.

    "Quando eles iam descer em uma área de mata, o vigilante puxou uma chave de fenda e tentou ferir um dos passageiros. A esposa ainda chegou a puxar ele, mas não deu tempo. Foi quando o comparsa dele que estava atrás deu um tiro na nuca dele", contou uma testemunha que estava acompanhando a esposa da vítima no hospital.

     

    Veja o momento em que o vigilante é socorrido pela população:

    | Autor:
     


    A população ainda socorreu o homem na caçamba de uma picape. No entanto, durante o trajeto, a equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) fez o resgate e conduziu a vítima ao Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste de Manaus.

    Minutos após dar entrada, o homem acabou não resistindo aos ferimentos e morreu. A esposa da vítima estava muito abalada com a notícia e precisou ser amparada por amigos.

    O caso será investigado pela Polícia Civil. O corpo deve ser removido pela equipe do Instituto Médico Legal (IML).


    Confira a live sobre o caso:



    Leia Mais:


    Cinegrafista baleado em assalto tem projétil retirado das costas

    Mulher acusa ex-namorado de espancamento no Centro de Manaus

    Foragido da Justiça é preso durante operação Catraca na Zona Norte