Fonte: OpenWeather

    Brutalidade


    Homem é assassinado após discussão sobre sexo

    Suspeito chegou a decepar o pênis da vítima em abril

    Envolvidos usaram drogas e o motivo do crime foi uma discussão sobre preferência de parceiros | Foto: Divulgação

    Uma discussão sobre sexo resultou na morte de uma pessoa. Segundo a Polícia Civil de São Carlos (SP), os envolvidos usaram drogas e o motivo do crime foi uma discussão sobre preferência de parceiros no ato sexual. O caso ocorreu no dia 25 de abril,  no Jardim Zavaglia.

    O suspeito do crime, Jhonatan Henrique Gomes, de 28 anos, foi localizado e preso pela polícia no dia 5 de maio. 

    Segundo o delegado Gilberto de Aquino, apesar da prisão, o caso ainda segue em investigação pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

    Depoimento

    Aos policiais, o adolescente relatou que no dia do crime foi com os dois colegas até uma mata no bairro Jardim Zavaglia e que os três sentaram no chão e começaram a conversar sobre mulheres.

    Durante a conversa, Santos e Gomes teriam fumado quatro pedras de crack e, a partir deste momento, começaram a conversar sobre preferência sexual.

    Em determinado momento, um acusou o outro de ter relações sexuais com homem e, em seguida, Santos se levantou, abaixou a bermuda, exibiu e começou a chacoalhar o órgão sexual, em frente ao rosto de Gomes.

    De acordo com a testemunha, Gomes não gostou da situação, ameaçou Santos e os dois começaram uma luta corporal, até que Gomes, munido de uma faca, começou a esfaquear a vítima.

    Ainda de acordo com o adolescente, em um determinado momento, Santos conseguiu fazer com que a faca caísse, mas, em seguida, Gomes a recuperou, encurralou a vítima contra uma árvore a cravou o objeto em seu pescoço.

    Brutalidade

    Apesar de já aparentar estar morto, Gomes continuou esfaqueando o colega e depois, decepou o órgão sexual da vítima.

    Questionado pelo adolescente sobre o ato, o autor se esquivou dizendo: “quem mandou ele fazer essa graça comigo”.

    Em seguida, ele arrastou o corpo da vítima para o meio da mata e o abandonou. Depois, ameaçou o adolescente dizendo que ele teria o mesmo fim, caso contasse o ocorrido para alguém.

    A testemunha ainda disse aos policiais que eles deixaram o local e foram até um bar, onde Gomes lavou as mãos em uma torneira e, logo depois, a dupla se separou.

    Em depoimento, o suspeito do crime acusou o adolescente de também ter agredido Santos com pauladas e golpes de faca. Porém, aos policiais, ele negou a participação e disse que apenas presenciou o assassinato.

    *Com informações do G1

    Leia Mais

    Mulher é atingida nas nádegas durante arrastão em Manaus