Fonte: OpenWeather

    Execução


    Milionária é suspeita de pagar R$ 200 mil para matar ex após traições

    Anne descobriu os relacionamentos extraconjugais e ofereceu dinheiro matar o ex companheiro

     

     Anne é herdeira de uma família de industriais, namorava a cerca de quatro anos e mantinha união estável com Vitor
    Anne é herdeira de uma família de industriais, namorava a cerca de quatro anos e mantinha união estável com Vitor | Foto: Reprodução

    A empresária milionária Anne Cripirano Frigo é  acusada de participação na morte do namorado, Vitor Lúcio Jacinto, no último dia 17 de junho. Ela teria pago R$ 200 mil para um corretor de imóveis, que aparece no vídeo em frente à casa do casal, executar o crime.

    De acordo com as investigações, a empresária é suspeita de planejar a morte de companheiro e o corretor executou o crime. Anne é herdeira de uma família de industriais, namorava a cerca de quatro anos e mantinha união estável com Vitor.

      O casal se conheceu por meio de um aplicativo de relacionamento. Na época, a vítima trabalhava como segurança em um restaurante. Quando começou a namorar, ele abandonou o emprego e começou a ser sustentado por ela.  

    A mulher foi presa nesta terça-feira (29), juntamente com o corretor Carlos Lex Ribeiro de Souza, por policiais civis do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), que cumpriram o mandado de prisão temporária expedido pelo Justiça de São Paulo.

    De acordo com a delegada Magali Celeghin Vaz, do DHPP, o casal vivia uma vida luxuosa e tinha duas residências. Anne costumava morar com os filhos no bairro Vila Nova Conceição, bairro nobre da zona sul de São Paulo, enquanto Vitor ficava em um imóvel em Alphaville, em Barueri, região metropolitana de São Paulo.

    Presentes de luxo

    Ao longo do relacionamento, a vítima recebeu vários presentes caros, como relógios da marca Rolex, viagens para Europa, e um carro Porsche, avaliado em R$ 2 milhões. Até que, em determinado período, começaram a discutir muito, a ponto de chegar à separação. Consequentemente, Anne parou de sustentá-lo.

      Mas as investigações apontam que, como estava sem dinheiro, Vitor decidiu retomar o relacionamento. As aparições indicam ainda que, enquanto tentavam voltar o namoro, a milionária descobriu várias traições, o que a motivou a planejar a morte de Vitor.  

    O corretor apontado como executor do crime atuava intermediando compras de carros, imóveis e terrenos para o casal. Segundo a delegada Magali, o corretor era um "faz-tudo" da família. Quando Anne descobriu os relacionamentos extraconjugais, ofereceu o dinheiro para ele matar seu companheiro.

    O crime covarde

    Até que no dia 17 de junho, Carlos convidou Vitor para ver um terreno que estava à venda. A caminho do local, na rodovia Castelo Branco, o corretor pegou uma arma que estava no banco de trás do carro e deu um tiro pelas costas que acertou o coração.

    O executor levou o corpo até a represa do Guarapiranga, na zona sul da capital, em seguida, colocou combustível e ateio fogo no rosto e nos pés da vítima. A polícia encontrou o corpo no dia seguinte. Após exames necroscópico, foi confirmado que a causa da morte foi um tiro no coração.

    Despistar a polícia

    Após o assassinato, Anne e Carlos começaram a usar o celular de Vitor, enviando várias mensagens, nas quais fingiam ser a vítima. Segundo a delegada Magali, em 19 de junho, dois dias depois do crime, foi o aniversário da milionária. Ela se passou por Vitor, enviando mensagens de felicitações. O intuito da dupla era criar um álibi e despistar a polícia.

      Entretanto, a Polícia Civil descobriu que a vítima tinha o hábito de mandar muitos áudios e, após o dia 17, só foram enviadas mensagens escritas pelo seu celular, o que levantou suspeitas.  

    O carro e arma usados no crime também foram apreendidos. Dentro do automóvel, foi localizado o estojo da arma. Na delegacia, Carlos, que não tem antecedentes criminais, confessou o crime e disse que receberia R$ 200 mil. Ele ainda afirmou que sua motivação foi financeira e que não tem relacionamento amoroso com a mulher.

    Até o momento, Anne se recusou a falar e seus advogados pediram para ela ser ouvida apenas nesta quarta-feira (30).

    R7*

    Leia mais:

    Criminosos perseguem e executam lavador de carros no Mauazinho

    Homem paga R$ 38 mil para matar ex-mulher no Paraná