Fonte: OpenWeather

    Operação Concreto


    Presa na Operação Concreto, Waldívia Alencar deixa centro de detenção

    Waldívia Alencar ficou presa por cinco dias e foi solta após juiz negar prorrogação da prisão provisória solicitada pelo MP

    Ex-secretária de Infraestrutura do Amazonas Waldívia Alencar, presa na 'Operação Concreto'
    Ex-secretária de Infraestrutura do Amazonas Waldívia Alencar, presa na 'Operação Concreto' | Foto: Raimundo Valentim

    Manaus - A ex-secretária de Infraestrutura do Amazonas Waldívia Alencar, presa na 'Operação Concreto' deixou a carceragem do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) por volta das 8h40 desta segunda-feira (23). Ela estava presa no local desde a última quarta-feira, quando foi alvo da operação. 

    O MPE-AM havia pedido prorrogação da prisão temporária com base em uma denúncia de intimidação de testemunhas e de participação em um esquema de leilões de imóveis em um condomínio. O pedido foi negado pela justiça. Como a prisão provisória autorizada pela operação 'Concreto Armado' tinha duração de cinco dias, de acordo com a Lei nº 7960/89, o prazo esgotou-se no domingo e a ex-secretária foi posta em liberdade.

    Ex-secretária Waldívia Alencar ao ser presa no dia 18 de abril
    Ex-secretária Waldívia Alencar ao ser presa no dia 18 de abril | Foto: Márcio Melo

    A prisão temporária ocorre normalmente durante a fase de investigação do inquérito policial. É utilizada para que a polícia e/ou Ministério Público possam coletar provas, assegurando o sucesso de uma determinada diligência, conforme o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

     “Em detida análise dos autos, constato que as provas colhidas e juntadas nos autos ainda não superaram esta fase, não havendo, por hora, motivo inconteste para ensejar decretação da prisão provisória”. Ilações sem comprovação nos autos e a gravidade dos delitos em si não são requisitos da preventiva, conforme trechos da decisão já divulgada pela imprensa neste domingo, não obstante o processo esteja em segredo de justiça", informou o juiz.

    Ex-secretária ostentava riqueza em redes sociais
    Ex-secretária ostentava riqueza em redes sociais | Foto: Reprodução

    Entenda o caso:

    A ex-secretaria da Infraestrutura (Seinfra), Waldívia Alencar, foi presa na manha do dia 18 de abril, em sua residência, no Condomínio Efigênio Salles, no Aleixo, durante a Operação 'Concreto Armado', coordenada pelo Ministério Público do Estado (MPE-AM), em parceria com a Polícia Federal. Segundo as investigações, ela é acusada de desviar mais de R$ 25 milhões dos cofres públicos, por meio de licitações fraudulentas e contratos superfaturados entre os anos de 2009 a 2015. Waldívia atuou nos governos de Eduardo Braga (MDB) e Omar Aziz (PSD), atualmente senadores da república. Ela também trabalhou no governo de José Melo (Pros), cassado por compra de votos e preso por desviar recursos da saúde pública.

    Ainda segundo levantamento realizado pelo MPE, o enriquecimento ilícito também foi compartilhado com familiares que acumularam 23 imóveis,avaliados em mais de R$ 11 milhões. A defesa alegou que, ao se referir ao acúmulo de bens da família, a investigação fez dedução precipitada e insensata. Ainda segundo a defesa não cabia à Waldívia a participação em procedimentos licitatórios.


    Leia mais:

    Após liminar Waldívia Alencar deve ser solta nesta segunda-feira

    Ex-secretária de infraestrutura do AM é presa por desvio de milhões

    Presa por desvio de milhões no AM, ex-secretária deixa IML