Fonte: OpenWeather

    PRISÃO


    'Tio Patinhas' era o responsável por expandir poder de facção, diz SSP

    Clemilson dos Santos Farias, de 38 anos, foi preso em Recife (PE), no último sábado (16). Ele é o número 2 da facção comandada por Gelson Carnaúba, o "Mano G"

    Clemilson dos Santos Farias, de 38 anos, foi preso em Recife (PE) no último sábado (16). Com ele, foram encontradas uma metralhadora, celulares, laptop, pendrive e agendas | Foto: Erikson Andrade/SSP

    Manaus - O narcotraficante Clemilson dos Santos Farias, de 38 anos, foi apresentado na tarde desta terça-feira (19), na sede da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP/AM). Conhecido como “Tio Patinhas”, Clemilson era o traficante mais procurado do Amazonas nos últimos meses, e foi preso no último sábado (16), na cidade de Jaboatão dos Guararapes (PE), na operação Mirante, deflagrada pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE).

    Leia também: 'Tio Patinhas' deve ser transferido para Manaus nesta terça-feira (19)

    Com “Tio Patinhas”, que é o número 2 da facção Comando Vermelho, foram encontradas agendas, celulares, um pendrive, um laptop e uma quantia em dinheiro no valor de R$ 3.925,00. A Polícia Militar de Pernambuco ainda apreendeu com Clemilson uma metralhadora calibre .50, com poder de derrubar até um avião. O próprio apartamento em que "Tio Patinhas" estava é avaliado em R$ 400 mil.

    Uma metralhadora .50, com poder de derrubar aviões, foi apreendida com o narcotraficante
    Uma metralhadora .50, com poder de derrubar aviões, foi apreendida com o narcotraficante | Foto: Erikson Andrade/SSP

    De acordo com o delegado Herbert Lopes, titular da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai), o plano inicial de "Tio Patinhas" era comandar toda a área pertencente à facção criminosa Família do Norte (FDN), comandada por João Pinto Carioca, o “João Branco”, e José Roberto Fernandes, o “Zé Roberto da Compensa”.

    “Nós seguimos os passos da organização dele, e descobrimos que daqui do Amazonas, ele foi para o Pará. De lá, ele seguiu para Imperatriz, no Maranhão, e de lá, para Pernambuco, onde se estabeleceu em Jaboatão dos Guararapes. De lá, segundo as nossas investigações, ele coordenava ações criminosas aqui no Amazonas, como roubos e execuções”, informou o delegado.

    Lopes ressaltou que, com a prisão de Tio Patinhas, a Seai espera esclarecer crimes de execução com inquéritos em aberto na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). O delegado ainda destacou que nas agendas, que estavam em posse de Clemilson, foi encontrada toda a contabilidade do tráfico de drogas. Uma varredura deve ser feita no laptop e no pendrive encontrados com ele.

    "Tio Patinhas" era o número 2 da facção comandada por Gelson Carnaúba, o "Mano G".
    "Tio Patinhas" era o número 2 da facção comandada por Gelson Carnaúba, o "Mano G". | Foto: Divulgação

    “Ele não estava, exatamente, foragido. Ele foi preso por conta de um mandado de prisão da 2ª Vara Especializada em Crimes de Uso e Tráfico de Entorpecentes (Vecute), que foi solicitado pela secretaria. Essa arma que foi apreendida com ele pertence ao Comando Vermelho, e deveria pertencer ao número 1 da organização solto, que era ele. Tudo leva a crer, inclusive as fotos, que essa arma era exatamente dele”, afirmou.

    Clemilson deve ficar preso, inicialmente, no sistema penitenciário do Amazonas. Ainda não há informações se ele será transferido para uma prisão federal de segurança máxima.

    Histórico

    Clemilson dos Santos Farias, vulgo "Tio Patinhas", é natural de Novo Airão (AM) e era procurado desde 2015, quando foi preso com 15 bananas de dinamite, um fuzil e drogas em um sítio no ramal do Pau-Rosa, no quilômetro 21 da rodovia federal BR-174. O sítio, avaliado em R$ 1 milhão, estava no nome do próprio narcotraficante.

    "Tio Patinhas" é apontado também como o número 2 da facção Comando Vermelho, comandada por Gelson Carnaúba, conhecido como "Mano G". Segundo a Seai, o plano inicial de Clemilson era a dominação de todas as áreas comandadas pela FDN, tanto em Manaus, como em outras partes do Brasil. Para isso, ele mandava matar todos os que não fossem do Comando Vermelho, independentemente se eram ligados à uma facção criminosa ou não.

    Clemilson pertencia, inicialmente, à facção de "João Branco" e "Zé Roberto da Compensa". Foi nela que ele cresceu e se firmou como um dos nomes do tráfico. No entanto, o plano de dominação começou a tomar forma depois que ele soube de onde e como eram comprados os entorpecentes e outros materiais comercializados pela facção. 

    Leia também

    Foragido da justiça é preso por homicídio cometido em 2017 em Manaus

    Grupo é preso quando tentava assaltar agência bancaria na Alvorada

    Mulher, namorada e mãe são detidas com drogas em Manaus