Fonte: OpenWeather

    Sistema prisional


    Após morte de agente, Seap suspende visitas por 15 dias no Compaj

    Assassinato aconteceu no último sábado (1º). Leia a portaria divulgada pela secretaria

    O agente foi morto com quatro golpes de estoque, arma caseira feita de ferro com ponta afiada | Foto: Márcio Melo

    Manaus - Diante da instabilidade na segurança do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), após a morte do agente disciplinar Alexandro Rodrigues Galvão, de 37 anos, as visitas do regime fechado na unidade prisional foram suspensas por 15 dias, conforme divulgou a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) nesta quinta-feira (6). O agente foi morto com quatro golpes de estoque, arma caseira feita de ferro com ponta afiada, por detentos no último sábado (1°). 

    O fato aconteceu durante o horário de visitas aos internos do pavilhão 3, quando mulheres tentaram entrar com drogas no presídio e entregar aos detentos. 

    Pelas imagens de câmeras de segurança internas, Alexandro é rendido por um interno e esfaqueado em seguida quando tentava fechar o portão de acesso à área de convivência. O objeto artesanal ficou cravado no pescoço da vítima. 

    Alexandro ainda foi socorrido e levado ao Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Rinaldi Abdel Aziz, mas não resistiu aos ferimentos na unidade hospitalar. O corpo foi removido ao Instituto Médico Legal (IML). 

    Um grupo de 12 detentos foi encaminhado ao 19° Distrito Integrado de Polícia (DIP), por suspeita de participar da morte do agente. 

    Uma portaria interna divulgada pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) esclarece os motivos que levaram a proibição de visitas. Acompanhe: 

    Leia mais:

    Após morte, agentes penitenciários se concentram na Aleam

    Seap nega relação de morte de agente com movimentação no Compaj

    Após morte de agente, Seap revira Compaj atrás de objetos ilícitos