Fonte: OpenWeather

    Transporte Público


    Assaltante que fez 30 pessoas reféns em ônibus é morto por Justiceiro

    O suspeito foi atingido com um tiro na cabeça, ainda dentro do coletivo. Um 'justiceiro' teria sido o autor do disparo.

    | Foto: Raphael Tavares

    Manaus - Um assaltante de ônibus morreu na noite desta segunda-feira (17), após um assalto ao Executivo da linha 844, na avenida Djalma Batista, bairro Chapada, na Zona Centro-Sul de Manaus. Pelo menos 30 pessoas foram feitas reféns dentro do coletivo durante a ação do criminoso. Um comparsa do homem, ainda não identificado, conseguiu fugir. 

    De acordo com o tenente Rherondy Aranha, da 22ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), o homem foi atingido com um tiro na cabeça, ainda dentro do coletivo. Um justiceiro teria sido o autor do disparo. 

    "Temos uma base aqui próximo ao shopping e ao saber da ocorrência, apesar da área ser da 23ª Cicom, viemos atender para resguardar a vida dos passageiros. Com o que está morto dentro do ônibus, foram encontrados R$ 120 em espécie", disse o policial.

    De acordo um uma das passageiras, Iana Luíza, os assaltantes entraram na frente do Manaus Plaza Shopping, e anunciaram o assalto logo em seguida. 

    "Foi uma cena de terror, eles saíram tirando tudo dos bolsos dos passageiros, eu joguei meu celular no chão para eles boa levarem. O que fugiu apontou a arma para a cabeça do motorista e mandou ele abrir a porta, foi quando ele fugiu e uma terceira pessoa atirou", explicou a testemunha.

    O corpo do homem foi removido pelos funcionários do Instituto Médico Legal (IML), após passar por perícia do Departamento de Polícia Técnico-Cientifica (DPTC). O crime será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

    Veja a live feita pela reportagem no local da ocorrência


     

    Leia mais

    Homem mata 'primo de consideração' com faca de cortar pão, em Manaus

    Assassino de tia e sobrinho diz que matou após negar sexo com rapaz

    Dono de bar é morto a tiros em Manaus e família suspeita de vingança