Fonte: OpenWeather

    Investigação


    Delegado diz que ainda 'não há suspeito' de matar engenheiro em Manaus

    Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, foi encontrado morto na tarde da última segunda-feira (30), na Zona Oeste de Manaus

    Antes de ser encontrado morto, o engenheiro Flávio Santos teria sido visto em uma casa no condomínio de luxo Passaredo | Foto: Reprodução

    Manaus - Após quase 24h da localização do corpo de Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, encontrado morto na tarde da última segunda-feira (30), em um terreno no bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus, o delegado Aldeney Goes, titular do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), revelou que não há suspeitos da autoria do crime até o momento.

    Em coletiva de imprensa, na tarde desta terça-feira (1º), o delegado afirmou que 11 pessoas já prestaram depoimento sobre o caso, incluindo o proprietário do imóvel em que a vítima esteve horas antes de ser encontrada morta, Alejandro Molina Valeiko, filho da atual primeira-dama do município, Elisabeth Valeiko.

    Questionado pela imprensa sobre a autoria do crime, o delegado afirmou que ainda é cedo para levantar suspeitas e que a polícia está trabalhando na coleta de informações de testemunhas, moradores e funcionários do condomínio de luxo Passaredo, que fica Ponta Negra, área nobre de Manaus.

    Conforme Goes, a perícia técnica do Departamento de Polícia Técnico-Científica, da Polícia Civil do Amazonas, foi acionada para o imóvel e realizou procedimentos legais com o intuito de auxiliar nas investigações sobre o caso.

    "Agradeço o empenho dos colegas da perícia, que quando acionados imediatamente atenderam ao chamado. Se preciso, serão novamente convocados par auxiliar no trabalho de investigação - que vem sendo realizado", destacou o titular do 19º DIP.

    Para a autoridade policial, todas as pessoas que prestaram depoimento na delegacia estão, neste primeiro momento, na condição de informantes. "É cedo para apontar suspeitos. Se houver contradições nos depoimentos, aí sim começaremos a analisar o perfil dos informantes e traçar, assim, uma linha de investigação que possa indicar uma possível participação no crime", frisou o delegado.

    Durante a coletiva, o delegado foi questionado se, após o corpo de Flávio ser encontrado pela polícia, o filho da primeira-dama teria sido internado em uma clínica para dependentes químicos, mas, no entanto, a informação não foi confirmada pela Polícia Civil. "O que posso garantir é que ele foi ouvido aqui no 19º DIP na condição de informante. Não fomos informados até a tarde desta terça sobre a internação dele", justificou.

    Prefeito emite nota

    Em nota, divulgada na manhã desta terça, o prefeito de Manaus, Arthur Neto, lamentou a morte do engenheiro e destacou que o enteado é inocente. Arthur informou que Flávio é mais uma vítima do tráfico de drogas e que espera que os verdadeiros culpados sejam presos pela polícia.

    Leia mais:

    Prefeito Arthur emite nota sobre a morte de engenheiro em Manaus