Fonte: OpenWeather

    Violência em Manaus


    Vídeo: quarteto faz motorista de aplicativo refém durante assalto

    Os criminosos entraram no carro, colocaram a motorista com uma camisa na cabeça no banco do passageiro e realizaram vários assaltos pela cidade

    O carro ficou parcialmente destruído | Foto: Josemar Antunes

    Manaus - Rogério Ferreira de Carvalho, de 34 anos, e os irmãos Jaimeson Morais Fernandes, de 22 anos, Jocicley Morais Fernandes, de 20 anos, foram presos, e um adolescente de 17 anos apreendido, após assaltar uma motorista de transporte por aplicativos, de 43 anos. O fato aconteceu por volta das 6h, desta quarta-feira (2), na comunidade Fazendinha, no bairro Cidade de Deus, na Zona Norte de Manaus. 

    Segundo informações da 27ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), o quarteto foi interceptado na Grande Circular 2, no conjunto Amazonino Mendes, também conhecido como "Mutirão", no bairro Novo Aleixo, na Zona Norte. 

    Os suspeitos foram localizados momentos após praticarem arrastões. Para impedir a fuga dos criminosos, que ignoraram a ordem de parada, foi necessário a viatura colidir na traseira do carro Fiat/Mobi, de cor prata, de placa NAV-0115. 

    Material encontrado com  os assaltantes
    Material encontrado com os assaltantes | Foto: Josemar Antunes

    Com o impacto, os criminosos perderam a direção do veículo e, em seguida, colidiram com colunas de proteção de uma casa. O carro ficou parcialmente destruído. 

    Com os suspeitos, a polícia encontrou uma faca, um simulacro de arma de fogo, duas mochilas com roupas e sete celulares. Eles foram apresentados no 6° Distrito Integrado de Polícia (DIP), para os procedimentos cabíveis. 

    Ao Portal EM TEMPO, Gilvana Leite, de 43 anos, que trabalha também como cabeleireira e técnica em enfermagem, disse que atendeu a corrida na comunidade Fazendinha. No local, um homem sem levantar suspeitas entrou no carro.

    A motorista disse que irá parar de trabalhar como motorista
    A motorista disse que irá parar de trabalhar como motorista | Foto: Josemar Antunes

    "Assim que ele entrou anunciou o assalto. Em seguida, mais três suspeitos entraram. A princípio eles iriam me colocar no porta-malas, mas desistiram por ter muitas pessoas na rua. Então fui colocada no banco traseiro com uma camisa na cabeça. Depois só ouvia eles praticando assalto e logo em seguida policiais pedindo para o veículo ser parado. Não senti medo por estar com Deus, mas a partir de hoje não trabalho mais com este ramo", declarou Gilvana Leite.

    Assista à reportagem da TV Em Tempo:

    Assista a reportagem | Autor: Alex Costa/ TV Em Tempo