Fonte: OpenWeather

    Ação policial


    'Foi o maior confronto entre polícia e traficantes no AM', diz Bonates

    O secretário ainda disse que quem levantar armas e trocar tiros com a polícia no Amazonas causará o choro de suas próprias famílias

    Secretário de segurança do Amazonas, Louismar Bonates | Foto: SSP-AM

    Manaus - O confronto entre 17 integrantes da Família do Norte (FDN) e policiais militares, na madrugada desta quarta-feira (30), no Crespo, Zona Sul de Manaus, foi caracterizada pelo secretário de segurança pública do Amazonas, coronel Louismar Bonates, como o maior já registrado no Estado. A declaração foi feita no prédio do Comando Geral da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), no bairro Petrópolis, também na Zona Sul.

    De acordo com o coronel Louismar Bonates, os policiais foram acionados por meio de denúncias anônimas feitas ao disque-denúncia da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) e, quando chegaram ao local, foram recebidos a tiros pelos criminosos.

    Armas apreendidas com os criminosos
    Armas apreendidas com os criminosos | Foto: SSP-AM

    "Quero agradecer a população pelo empenho em ajudar a polícia para combater a criminalidade. O grupo criminoso tinha a intenção de confrontar com membros da facção criminosa rival. No local, tem várias marcas de tiros em casas e parede de madeira, comprovando o confronto com a força do Estado. Foram mais de 60 polícias envolvidos na ação. Essa foi o maior confronto já registrado contra a polícia no Amazonas", disse Louismar Bonates.

    O secretário ainda afirmou que quem levantar arma e trocar tiros com a polícia no Amazonas causará o choro de suas próprias famílias.

    Munições
    Munições | Foto: SSP-AM

    "Sentimos pelos familiares. A polícia não tem a intenção de matar, ela tem a intenção de intervir na ação para levar tranquilidade à população, mas se eles vierem levantar armas e trocar tiros com a polícia, infelizmente, as famílias deles que irão chorar", afirmou.

    Durante a ação, a polícia apreendeu 17 armas de fogo, entre munições, revólveres, pistolas, espingarda e uma submetralhadora. Nenhum policial ficou ferido e ninguém foi preso. 

    Todos os corpos foram levados para o Instituo Médico Legal (IML), onde aguardam o comparecimento de familiares.