Fonte: OpenWeather

    interrogatório


    'Há dois anos que estou preso e minha mãe chora', diz Sotero

    O delegado fala novamente que foi agredido no dia do crime e reclama da exibição das imagens da câmera de segurança, que mostram o momento que ele atira em Wilson

    Delegado alterou a voz diversas vezes
    Delegado alterou a voz diversas vezes | Foto: Leonardo Mota

    Manaus - O último dia de julgamento do delegado Gustavo de Castro Sotero, realizado nesta sexta-feira (29, no Fórum Ministro Henoch Reis, na Zona Sul de Manaus, está sendo marcado com discussões acaloradas. 

    Durante os questionamentos da acusação, sobre a ação depois de ter levado um soco da vítima Wilson Justus, o réu se alterou e questionou do porquê de estar revendo os vídeos e sendo novamente questionado.

    "Wilson olhou para mim e me encarou seriamente. Não disse nada para mim e nem eu para ele", disse Sotero atento ao vídeo. 

    Em certos momentos, o delegado se alterou. "Tem dois anos que estou preso. Minha mãe chora, eu já disse o que tinha de dizer. Vocês já viram várias vezes esse vídeo. Fui agredido", fala em voz alta.

    Sotero questiona a exibição do vídeo
    Sotero questiona a exibição do vídeo | Foto: Leonardo Mota

    O delegado também falou que sempre frequentava a casa de festa, onde aconteceu o crime. Ele se irritou mais uma vez quando acusação informou que o dono do estabelecimento disse em depoimento que ele ia à casa “caçar”.

    "Eu me sentia bem lá, era bem tratado. Eu ia uma vez por semana. Ia para relaxar e até namorar. Minha atual esposa ia comigo no lugar”, declara.

    Acusação e defesa pedem ordem no júri. O advogado da família de Wilson reclama do jogo de retórica da acusação. 

    "Toda vez que a pergunta dói, a defesa se intromete", diz acusação. O juiz Celso Souza de Paula precisou intervir e fazer novamente a pergunta ao réu, sem a fala do advogado de acusação. 

    Esse momento de interrogatório do acusado, segue a programação do dia, logo após os debates, a quitação e a sentença do réu.