Polícia


Presos se negam a cumprir ordens e Seap cancela visitação em Manaus

Presos se recusaram obedecer as normas do regimento interno e o Grupo de Intervenção Penitenciária (GIP) foi acionado

O Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ) já foi palco de muitas rebeliões, inclusive em umas das maiores chacinas do país em 2017, onde foram 64 detentos assassinados
O Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ) já foi palco de muitas rebeliões, inclusive em umas das maiores chacinas do país em 2017, onde foram 64 detentos assassinados | Foto: Divulgação

Manaus - Neste sábado (4), foram suspensas as visitas aos pavilhões G6 e G7 da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP). De acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), um grupo de internos se recusou a atender os procedimentos operacionais da unidade.

O Grupo de Intervenção Penitenciária (GIP) foi acionado e, em poucos minutos, conteve a movimentação. Com histórico de rebeliões da UPP, a suspensão de visitas nesses pavilhões foi a maneira que Seap, encontrou de prevenir um motim ou mesmo uma nova rebelião.

As visitas aos pavilhões G1, G2 e G5 permaneceram em funcionamento normal.