Conflito


Guerra entre facções: criança morre vítima de bala perdida em Manaus

Um grupo, dividido em dois carros, tentou invadir o território do tráfico de drogas de uma facção rival e fez vários disparam na via pública, onde várias crianças, incluindo a vítima, estavam brincando

O corpo da criança foi encaminhado ao IML
O corpo da criança foi encaminhado ao IML | Foto: Divulgação

Manaus - A guerra entre facções criminosas fez uma vítima inocente na noite desta quinta-feira (9), em Manaus. Uma criança identificada como Renan Souza Gomes, de 9 anos, morreu no Hospital e Pronto-Socorro da Criança da Zona Leste - Joãozinho, após ser atingida por uma bala perdida. O caso aconteceu na rua Amazonas, bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus. 

Segundo policiais militares da 27ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), por volta das 18h45, um grupo armado, dividido em dois carros, tentou invadir o território do tráfico de drogas de uma facção rival. Os criminosos fizeram vários disparam na via pública, onde dezenas de crianças, incluindo a vítima, estavam brincando. 

Renan foi atingido na região lombar e foi socorrido pelos moradores da área em um carro particular. Ele foi levado para a unidade de saúde, mas morreu minutos depois. 

Conforme a PM, Renan brincava na rua quando foi atingido
Conforme a PM, Renan brincava na rua quando foi atingido | Foto: Divulgação

"Como as crianças estão de férias, várias delas estavam brincando na rua quando aconteceu o conflito entre os criminosos. Testemunhas informaram que a facção que chegou para dominar a boca de fumo estava em um carro modelo Corsa Classic, de placa do Mercosul final 8. E o outro veículo só conseguiram identificar a cor, que era prata", disse o tenente Daniel Pena, da 27ª Cicom. 

Ainda conforme a equipe policial, além da criança, dois homens foram atingidos pelos disparos. David Barros da Silva, de 20 anos, pegou dois tiros, sendo um na mão e outro no pé. Dennis da Silva Marinho, de 33 anos, foi atingido com mais de quatro tiros no tórax. Ele está em estado grave. Segundo a polícia, os jovens estavam conversando, sentados na rua, quando foram surpreendidos pela "chuva de tiros".  Não há confirmação sobre o envolvimento deles no confronto ou se eles eram os alvos dos atiradores.

No Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, para onde Dennis e David foram levados, a polícia verificou nos registros e não encontrou nenhuma passagem deles pela polícia. Os policiais intensificaram o patrulhamento na região com o objetivo de encontrar os suspeitos. Até a publicação desta matéria, ninguém havia sido preso.