Fonte: OpenWeather

    Investigação


    Homem condenado por homicídio é preso após 10 anos

    Conforme autoridade policial, o infrator Rosivan Ferreira Barros foi detido, na frente à residência dele, no bairro Colônia Terra Nova

    A investigação aconteceu sob o comando do do 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP), sob coordenação do delegado Ricardo Cunha, titular da unidade policial
    A investigação aconteceu sob o comando do do 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP), sob coordenação do delegado Ricardo Cunha, titular da unidade policial | Foto: Divulgação

    Manaus - Rosivan Ferreira Barros, 38, conhecido como “Magrão”, foi preso, dez anos após, o homicídio de um homem, identificado como Luiz de Souza Bezerra, que tinha 48 anos, no bairro Novo Israel, na zona norte da capital.

    A investigação aconteceu sob o comando do do 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP), sob coordenação do delegado Ricardo Cunha, titular da unidade policial.

    De acordo com a autoridade policial, o infrator foi preso em frente à residência dele, situada na rua Mar Vermelho, localizada bairro Colônia Terra Nova, na mesma zona em que o crime foi cometido. Na ocasião do delito, “Magrão” discutia e agredia a então companheira dele em uma via pública, quando Luiz, que estava passando pelo local, tentou defender a mulher, mas acabou sendo alvejado por disparos de arma de fogo efetuadas pelo infrator. A vítima não resistiu e morreu em decorrência dos tiros.

    “Após obtermos informações, por meio de denúncia anônima, informando que o infrator estaria se escondendo em uma residência situada no bairro Colônia Terra Nova, montamos campana nas proximidades da localidade delatada, a fim de surpreender o indivíduo. Até que nos deparamos com o mesmo saindo da casa, momento em que o mesmo foi preso e conduzido ao prédio do 18º DIP”, explicou o titular da unidade policial.

     O delegado Cunha destacou ainda que “Magrão” foi condenado a nove anos de prisão em regime fechado.  A ordem judicial em nome dele foi expedida no dia 05 de julho de 2019, pelo juiz Mateus Guedes Rios, da 1ª Vara do Tribunal do Júri.

     Procedimentos

    Ao término dos trâmites cabíveis na unidade policial, ele será encaminhado para a audiência de custódia no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, no bairro São Francisco, zona sul da capital.