Fonte: OpenWeather

    Homícidio


    Coreógrafo do Balé Folclórico do AM é assassinado com tiro na nuca

    Flávio Soares teve o carro cercado em um posto de gasolina e foi atingido por um disparo

    Coreógrafo não tinha passagem pela polícia nem envolvimento com o mundo do crime, segundo familiares | Foto: Divulgação

    Manaus - O coreógrafo e maitre do Balé Folclórico do Amazonas, Flávio Soares, de 54 anos, foi assassinado com um tiro na nuca na madrugada deste sábado (11). O crime ocorreu em um posto de gasolina Avenida Belo Horizonte, bairro Aleixo, zona centro-sul de Manaus. 

    Segundo testemunhas, o bailarino parou para abastecer o veículo no posto. Ao sair, foi cercado por outro veículo, de placa e modelos não identificados. Flávio desceu do carro e foi atingido com um tiro na nuca, morrendo na hora.

    Segundo a família da vítima, Flávio não tinha passagem pela polícia, envolvimento com o crime nem estava recebendo ameaças. O corpo foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML) e o caso é investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

    SEC lamenta morte

    A Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa (SEC) divulgou uma nota de pesar sobre o falecimento de Flávio. 

    “A partida do Flávio, um grande profissional e amigo, é uma perda inestimável para a cultura do Amazonas. Flávio contribuiu muito para  a Dança do estado, desde a participação em produções de espetáculos  no Teatro Américo Alvarez, depois como integrante dos Corpos Artísticos Estaduais, nos quais atuou no Corpo de Dança do Amazonas e, mais recentemente, no Balé Folclórico. Deixa uma saudade e um grande legado”, declarou o titular da Secretaria, Marcos Apolo Muniz.

    Flávio iniciou a carreira na dança aos 18 anos, e teve passagens pelo Grupo Espaço de Dança do Amazonas (Gedam) e Corpo de Dança do Amazonas (CDA). Em 2013, ingressou como maître no Balé Folclórico do Amazonas, onde permaneceu até hoje. 

    Um dos últimos trabalhos do coreógrafo foi no final de 2019 com a “Expedição Cultural” do Balé Folclórico, que viajou por municípios do interior do Estado.