Alerta


Polícia alerta população sobre invasões de hackers a eletrônicos

A invasão desses aplicativos tem como finalidade aplicar golpes de estelionato

A pena para o crime prevê detenção de três meses a um ano, além de multa | Foto: Divulgação

Manaus- A Polícia Civil do Amazonas, orienta a população a redobrar as medidas de segurança para evitar as invasões de hackers a dispositivos eletrônicos, como telefones celulares, laptops e contas em redes sociais. Esses crimes estão associados a casos de estelionato, com prejuízos financeiros às vitimas. Ano passado, mais de 163 Boletins de Ocorrência sobre esse tipo de crime foram registrados na unidade especializada em investigar os crimes virtuais.

A invasão de equipamentos eletrônicos está prevista na Lei 12.737/12, e consiste em violar a segurança de dispositivos informáticos a fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do proprietário. A pena para o crime prevê detenção de três meses a um ano, além de multa.

O titular da Delegacia Interativa, delegado Gesson Aguiar, explica que o Whatsapp é o aplicativo mais invadido pelos hackers, segundo os registros na delegacia. Não há dados detalhados sobre esse tipo de caso. “O crime que mais chega é a invasão do dispositivo da conta do Whatsapp. Isso acontece devido à engenharia social, um método não técnico utilizado pelos cibercriminosos para obter informações, realizar fraudes ou obter acesso ilegal aos dispositivos das vítimas”, salienta o delegado.

A invasão desses aplicativos tem como finalidade aplicar golpes de estelionato. Logo após clonarem as contas, os criminosos enviam mensagens aos contatos da vítima solicitando doação de recursos financeiros em nome delas. Quem tem relação de proximidade com a pessoa, muitas vezes, acaba caindo na farsa.

“O crime de estelionato é um dos objetivos principais das invasões. O que normalmente os criminosos pedem das vítimas é dinheiro, é patrimônio. Os maiores casos registrados são de invasão de dispositivo, seguido de falsa identidade, porque os criminosos fazem perfis fakes e se escondem atrás deles”, disse.

De acordo com o delegado, algumas medidas podem aumentar a segurança no ambiente virtual. “Não devemos acessar dados ou contas em redes públicas, como Wi-Fi, ou preencher algo que desconheça com os dados pessoais. Sempre instalar um bom anti-vírus e nunca responder e-mails que contenham mensagens com conteúdos desconhecidos acompanhadas de links”, alerta o delegado.

*Com informações da assessoria