Crime


Em Manaus, 'Cheira' diz que matou rival porque tinha sido ameaçado

''Cheira'' estava sendo investigado pela participação no homicídio de Giovane Pereira de Jesus

Em depoimento na delegacia, Marcelo confessou o crime e relatou ainda que a vítima tinha envolvimento com o tráfico de drogas | Foto: Divulgação

Manaus - Marcelo da Silva Dias, de 32 anos, conhecido como "cheira", que estava sendo investigado pela participação em um homicídio, foi preso na madrugada desta quinta-feira (6), em uma barreira policial, na rodovia federal BR 174, no município de Presidente Figueiredo (a 107 quilômetros de Manaus). Na delegacia, ele confessou o crime.

O assassinato ocorreu no ano passado, na rua Terra Preta, bairro São José, Zona Leste. Na ocasião, Marcelo e o comparsa, identificado como Diego Pimentel Leal, foram até ao local em uma motocicleta e ao avistarem a vítima Giovane Pereira de Jesus, de 21 anos, efetuaram os disparos. 

Conforme o delegado Paulo Martins, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), após o crime, “Cheira” tentou se esconder em uma invasão. 

“Descobrimos que ele estava escondido em uma invasão denominado como ‘Coliseu’ e fizemos diversas buscas para localizá-lo. Sabendo que a prisão era eminente, ele tentou fugir para o município de Presidente de Figueiredo, mas foi detido na barreira policial “, explicou Martins.

Em depoimento na delegacia, Marcelo confessou o crime e relatou que a vítima tinha envolvimento com o tráfico de drogas. 

“Ele alega que o motivo do crime seria por conta de uma rixa com o rival. Disse que a vítima lhe ameaçou de morte e, por isso, resolveu se antecipar e matar Geovane. As investigações apontam que Marcelo tem envolvido com o tráfico”, relatou o delegado Charles Araújo, adjunto da DEHS.

Ainda na delegacia, Marcelo disse que a vítima, em outro momento, tentou matá-lo. Só não foi morto por conta de testemunhas terem intervindo na situação. No entanto, essa versão não foi confirmada pela polícia.

“Ele relata isso para tentar justificar o fato, mas não conseguimos confirmar. Esse tipo de pessoa geralmente não procura socorro em casos como esse. Testemunhas disseram que Marcelo é frio e já teria participado de outros crimes “, finalizou Charles.

Procedimentos

‘Cheira’ foi indiciado por homicídio e, após os procedimentos cabíveis, será encaminhado ao Fórum Ministro Henoch Reis, Zona Sul.