Fonte: OpenWeather

    Intervenções policiais


    Força policial e inspeções em presídios visam evitar crises em Manaus

    Após o foguetório e o aumento no número de mortes, o policiamento foi reforçado e não há prazo para que essas ações se finalizem

    Dentre as estratégias estão o reforço no efetivo e revistas nas unidades prisionais | Foto: Janailton Falcão/Arquivo

    Manaus - A cúpula da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP-AM) realizou coletiva de imprensa, na tarde desta terça-feira (11), por volta das 15h, no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), no bairro Aleixo, Zona Centro-Sul de Manaus, para explicar as ações que estão sendo tomadas pelo Gabinete de Crise da Segurança Pública para reprimir possíveis alterações no sistema prisional e confronto de facções na capital. Dentre as estratégias estão o reforço no efetivo e revistas nas unidades prisionais. 

    Conforme o secretário-executivo- adjunto da SSP-AM, coronel Anézio Paiva, o gabinete está ativado desde 19h de segunda-feira (10), após determinação do governador em exercício, Carlos Almeida.  Pelo menos, 20 pessoas já foram presas desde a ativação do gabinete de crise.

    O comitê integra as Polícias Civil e Militar, além da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBM-AM), além do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM). 

    “A inteligência da SSP-AM monitora qualquer alteração no sistema prisional e também nas ruas. Para qualquer alerta ,nós acionamos o poder executivo e eles decidem sobre a ativação ou não do comitê. Como o governador em exercício decidiu pela ativação, nós traçamos ações repressivas e preventivas para possíveis alterações entre criminosos”, disse Paiva.

    Questionado pela imprensa sobre um possível conflito e tomada de territórios pelas facções Comando Vermelho (CV) e Família do Norte (FDN), Anézio Paiva disse que as forças de segurança não trabalham para desarticular grupos e sim os criminosos em geral.

    “Qualquer pessoa que seja envolvida com o crime, será alvo. Não há distinção”, disse.

    Conforme a autoridade, o policiamento foi reforçado e não há prazo para que essas ações se finalizem. Foram realizadas revistas em três unidades prisionais com intuito de reprimir ações que alterem a normalidade dos locais.

    “Esse comitê foi ativado devido o aumento dos homicídios, briga entre criminosos e, por isso, estamos fortalecendo as fiscalizações nas ruas, nos ônibus e reforçando as revistas em unidades prisionais e nas muralhas. A polícia está nas ruas e a população não precisa ter medo”,  disse.

    Para concluir, o coronel enfatizou que as forças de segurança estão integradas e empenhadas para realizar ações em bairros que estão com índices mais altos de criminalidade. Uma operação deve ser desencadeada ainda na noite desta terça-feira (11), pelas delegacias seccionais da Polícia Civil.