Fonte: OpenWeather

    Segurança


    Wilson Lima nega que haja indícios de rebelião

    Governador do Amazonas diz que não há necessidade do envio da Força Nacional ao estado e nem da transferência de presos para unidades prisionais

    Na noite da última segunda-feira (10), traficantes de vários bairros comemoraram a tomada do Comando Vermelho (CV) frente à Família do Norte (FDN) | Foto: Divulgação

    Manaus - Em meio a uma sensação de insegurança por parte da população com os recentes casos de assassinatos ocorridos em Manaus e de uma suposta rebelião dentro do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), o governador do Amazonas, Wilson Lima, diz que não há necessidade do envio da Força Nacional ao estado e nem da transferência de presos para unidades prisionais. O chefe do Executivo ainda nega que haja indícios de rebelião.

    “Hoje não há necessidade diante de todas as ações que nós já tomamos com relação a toda essa movimentação das organizações criminosas no  Amazonas”, frisou.

    Na noite da última segunda-feira (10), traficantes de vários bairros comemoraram a tomada do Comando Vermelho (CV) frente à Família do Norte (FDN), tida como a maior facção criminosa do Estado até então. Fogos de artifício e tiros davam um "salve" à conquista. População acompanhou a movimentação em diversos pontos da cidade.

    O objetivo foi claro, causar pânico e mostrar o poder da organização originária dos morros do Rio de Janeiro. De acordo com uma fonte policial do Em Tempo, a maioria das mortes registradas ainda em janeiro deste ano (um total de 117 mortes violentas) era de integrantes da FDN.

    Um dos motivos da comemoração pode ter sido a morte de Diego Lopes Linhares, de 34 anos, conhecido como “Baixinho”, que foi executado a tiros na tarde desta segunda, por volta das 13h, rua Castro Alves, no bairro Coroado, Zona Leste de Manaus.

    Conforme a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), um interno Fabrício Silva dos Santos Neto, de 31 anos, também foi morto na segunda (10) dentro da cela após uma briga com outros três detentos. Os autores do assassinato foram encaminhados para a delegacia prestar depoimento.

    Uma fonte, que preferiu não se identificar, conversou com a reportagem e contou parte dos planos dos membros do Comando Vermelho. A princípio, o objetivo é tomar todos os territórios que estavam sob o poderio da FDN. Entre os locais mais cobiçados pela facção está a invasão Monte Horebe, que teria sido fundada pelo CV e depois foi tomada pela FDN. “As guerras entre as facções nos remetem à Idade Média onde matar, esquartejar e decapitar se tornou algo comum. O Estado perdeu a moral, o respeito. E agora quem é o dono do pedaço são essas facções. E nós cidadãos de bem, que acordamos cedo todos os dias para ir trabalhar, que pagamos os nossos impostos somos reféns dos criminosos”, desabafa a professora que trabalha na Zona Norte de Manaus, Virgínia de Carvalho. 

    O designer e empresário, Victor Carneiro tem temido por sua família. “Infelizmente a sensação de insegurança é muito grande. Todo dia nós ouvimos notícias ruins. De alguns meses para cá, a sensação de insegurança se intensificou. Hoje, em Manaus você não sabe onde é seguro andar, dia ou noite, já não tem mais horário, o crime acontece em todas as partes da cidade”, disse o morador do bairro Parque 10 de Novembro, Zona Centro-Sul da cidade. 

    Reunião

    Wilson Lima se reuniu na tarde de ontem (11), em Brasília (DF), com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro
    Wilson Lima se reuniu na tarde de ontem (11), em Brasília (DF), com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro | Foto: Divulgação

    Wilson Lima se reuniu na tarde de ontem (11), em Brasília (DF), com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, para tratar de estratégias de combate ao crime organizado no Amazonas.

    “Os últimos movimentos que foram demonstrados e captados pelo nosso setor de inteligência com relação a esses grupos criminosos nos acenderam um alerta, por isso que nós estamos vindo aqui ao ministro Sérgio Moro e toda a sua equipe para alertar sobre essa situação e a gente tomar algumas ações de prevenção”, destacou Wilson Lima.

    No encontro, o governador ressaltou que o Estado instalou, na noite da última segunda (10), o Gabinete de Crise da Segurança Pública para se antecipar a possíveis conflitos e hoje intensificou operações policiais e realizou inspeção em três unidades prisionais de Manaus.

    De acordo com uma matéria divulgada no Portal de Notícias BNC, o governador negou que haja indício de rebelião ou tumulto nos presídios do Estado e  que as forças de segurança estão fazendo, desde o ano passado, é um trabalho de combate ao tráfico de drogas