Fonte: OpenWeather

    Violência contra mulher


    Menina de 15 anos denuncia motorista de app por assédio, em Manaus

    O caso aconteceu quando a adolescente estava indo para a Banda do Boulevard. Motorista foi banido da plataforma de transporte de passageiros

    O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM) | Foto: Suyanne Lima

    Manaus - Após denúncia de assédio sexual cometido por um homem que trabalhava como motorista de aplicativo da 99, uma adolescente de 15 anos usou as redes sociais para expor o suspeito de tê-la assediado no último dia 15 de fevereiro, a caminho da Banda da Boulevard, ocorrida entre a avenida Djalma Batista e a Rua Ferreira Pena, no Centro de Manaus. As informações foram divulgadas pelo portal Extra, no último dia 20.

    A vítima registrou um B.O contra o condutor, na última quarta-feira (19), junto com a mãe Grashirley Bernardo, na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), localizada na avenida Mário Ypiranga, bairro Parque 10 de novembro, Zona Centro-Sul da capital.

    A adolescente, que estava indo para o bloco de carnaval rua, conta que pediu uma corrida pelo aplicativo e foi atendida por um homem que, no dia anterior, já havia levado ela e a avó ao shopping. Ao entrar no veículo, o motorista disse para a jovem sentar no banco da frente, pois “já era conhecida por conta da viagem anterior”.

    “Ele disse que eu não precisava ter medo. Mas no caminho ao Boulevard, ele pediu para tirar dinheiro em um posto, e foi neste momento que desconfiei. Desci do carro, fui até a farmácia para colocar crédito no celular e avisei meu namorado para ele ficar de olho na minha corrida”, disse a jovem à imprensa.

    Após a parada, o condutor começou a passar a mão no corpo e cabelos da vítima, que imediatamente se esquivou e pediu para que parasse com as investidas. 

    Insistência

    Segundo a adolescente, após a reação, o motorista tentou “acalmá-la”.

    “Ele falou as seguintes palavras: ‘Eu sou divorciado, mas não vivo sem mulher. Porém, sou muito tarado. Eu namoraria contigo se você não namorasse. Mas esse teu namorado não deve te fazer gozar’. Nesse momento, ele pegou na minha coxa e falou ‘Você tem um coxão’”, relembra a adolescente.

    Mesmo com os pedidos, o motorista continuou praticando assédio. Após isso, a vítima resolveu tirar uma foto no momento em que o condutor voltasse a tocá-la.

    “Precisava de uma prova. Saí do carro em choque e chorando. Tenho 15 anos e nunca tinha passado por isso. Hoje, estou com medo de usar carro de aplicativo”, confessa a vítima.

    Números

    O crime de assédio sexual é comum o ano inteiro e em todos os períodos, mas é intensificado durante o carnaval, principalmente pela falsa sensação de que “tudo é permitido”.

    A mensagem ‘Não é Não!’ é simples, objetiva e direta, mas ainda muito necessária. Os números são alarmantes: aconteceram 135 estupros, por dia, em 2016. Somente em 2017, uma mulher foi agredida a cada quatro minutos durante o Carnaval carioca e no primeiro semestre de 2018 a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência recebeu 73 mil denúncias, por meio do telefone 180.

    Repúdio

    Em nota à imprensa, a 99 explicou que baniu o condutor e mobilizou uma equipe para “oferecer todo o acolhimento e suporte necessário à vítima”.

    “A plataforma lamenta profundamente o caso e reitera que repudia veemente esse tipo de violência. Temos uma política de tolerância zero em relação a isso. Por isso, dedicamos nossos esforços na prevenção, proteção e acolhimento de todos os usuários da plataforma, principalmente para as mulheres”, informou em nota.

    A empresa já havia respondido à própria adolescente pelo Instagram – plataforma em que a vítima usou para realizar a denúncia.

    | Foto: Reprodução

    Confira na íntegra a nota da 99 sobre o caso de assédio:

    “A 99 recebeu a grave denúncia da passageira. Assim que soubemos do caso, banimos o motorista e mobilizamos uma equipe para oferecer todo o acolhimento e suporte necessários à vítima.

    A plataforma lamenta profundamente o caso e reitera que repudia veemente esse tipo de violência. Temos uma política de tolerância zero em relação a isso. Por isso, dedicamos nossos esforços na prevenção, proteção e acolhimento de todos os usuários da plataforma, principalmente para as mulheres. Por conta dessa missão, a 99 investe continuamente em tecnologia para que o serviço seja seguro antes, durante e depois das corridas.

    Entre as medidas está o kit de segurança, que oferece a opção de compartilhar a rota para contatos de confiança, além de poder ligar para a polícia. O app também possui uma inteligência artificial, o Rastreador de Comentários, que vasculha automaticamente as avaliações das usuárias ao fim das corridas para a identificação dos casos de assédio ou violência sexual.

    Com essa tecnologia, a empresa pode priorizar esses casos e acolher a vítima de maneira humanizada mais rapidamente, bem como tomar todas as providências possíveis, que pode incluir bloqueio e colaboração com a investigação das autoridades. Em situações de assédio, o atendimento é feito exclusivamente por uma mulher.

    Passageiras e motoristas que tenham sofrido esse tipo de violência devem reportar imediatamente para a empresa, por meio de seu app, ou no telefone 0800-888-8999, para que o acolhimento e suporte necessários sejam oferecidos. Trabalhamos 24 horas por dia, 7 dias por semana, para cuidar exclusivamente da proteção dos usuários, sejam elas motoristas ou passageiras”, repudiou em nota.

    *Com informações do Portal Extra