Fonte: OpenWeather

    Receptação


    Homem é preso com barras de ouro ilegal avaliadas em R$ 250 mil, no AM

    Robson Sousa Oliveira, de 40 anos, estava comercializando três peças de ouro de origem ilícita. Outros quatro homens estão sendo investigados

    A ação da polícia ocorreu na estrada do Centur, bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade
    A ação da polícia ocorreu na estrada do Centur, bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade | Foto: Kennedson Paz

    Manaus - Após denúncias anônimas, a Polícia Civil prendeu Robson Sousa Oliveira, de 40 anos, por receptação qualificada, na tarde de segunda-feira (9). O homem estava comercializando três peças de ouro de origem ilícita, avaliadas em R$ 250 mil. A prisão ocorreu na estrada do Centur, bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus.

    "Recebemos informações que os suspeitos estavam se reunindo em um condomínio, onde estava sendo comercializado o ouro ilegal. Fomos ao local e montamos uma campana. Eles estavam em dois carros e conversavam muito. Quando um deles saiu do veículo, fizemos a abordagem”, explicou o Guilherme Torres, titular do 19º Distrito a Integral de Polícia (DIP), durante coletiva de imprensa, realizada nesta terça-feira (10).

    No decorrer da ação, Robson foi abordado e, com ele, a polícia apreendeu três peças de ouro. Os policiais solicitaram do homem a documentação referente ao material. Entretanto, ele não apresentou. Possivelmente, segundo a polícia, o ouro pode ser de garimpo ilegal

    “Os outros homens relataram que trabalham com ouro e pensaram que o material fosse legal. Mas essas informações serão confirmadas apenas após o inquérito policial”, disse o delegado.

    Peças foram avaliadas em R$250 mil reais
    Peças foram avaliadas em R$250 mil reais | Foto: Kennedson Paz

    Em depoimento à polícia, Robson negou ser o dono da mercadoria. “Ele disse que, antes da polícia chegar, o proprietário fugiu pela mata. Disse ainda que ganharia apenas uma porcentagem após a venda”, explicou Torres.

    Robson foi autuado em flagrante por receptação qualificada e usurpação de bens ou matéria-prima da União. Após os procedimentos legais na delegacia, ele deve ser encaminhado para audiência de custódia, no Fórum Ministro Henoch Reis, na Sul. Os outros homens serão investigados. 

    Todas as informações serão passadas à Polícia Federal, que deve investigar se o caso tem relação com organizações maiores de extração ilegal.