Fonte: OpenWeather

    Arma branca


    Mistério: mulher morre em Manaus e há três versões para o crime

    Vítima estava bebendo junto com o companheiro e uma amiga, quando houve uma discussão. Depois da morte, o companheiro e a amiga tentaram fugir, conforme informou a Polícia Militar

    O caso está sendo investigado pela DEHS
    O caso está sendo investigado pela DEHS | Foto: Divulgação/PC-AM

    Manaus - A jovem Ana Paula da Cruz Silva, de 23 anos, morreu na noite de quarta-feira (29), por volta das 22h, na casa onde morava, na rua Coletora 2, no conjunto Cidadão 12, bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus. A vítima foi atingida por um golpe de arma branca no tórax, porém o caso está repleto de mistérios. A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) investiga o crime, que até o momento possui versões distintas.

    Os policiais militares da 26ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) informaram que há duvida sobre a origem do fato, pois a vítima estaria bebendo com o companheiro e uma amiga no momento em que morreu. Após a perfuração da faca no corpo, a vítima foi socorrida e encaminhada ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do conjunto Galileia, naquele mesmo bairro, onde foi constatada a morte.

    Segundo a PM, o marido e a amiga tentaram sumir após o fato, mas foram localizados no conjunto Viver Melhor, naquela mesma zona. Os dois foram conduzidos ao prédio da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), onde prestaram esclarecimentos. 

    Para os policiais militares, o marido deu a versão de que eles foram vítimas de um assalto e a mulher acabou sendo esfaqueada por terceiros. Já a família da vítima teria informado que ela teria se suicidado. 

    Em nota, a Polícia Civil confirmou que no Boletim de Ocorrência (BO), a mãe de Ana Paula informou que a vítima estava com o companheiro na casa, onde moravam, ingerindo bebida alcoólica, quando houve uma discussão entre eles e, “provavelmente”, a mesma se armou com uma arma branca e se auto lesionou.

    A PC ressaltou que a DEHS irá investigar o caso para apurar as circunstâncias do caso.