Fonte: OpenWeather

    Fiscalização


    Operação da Polícia Civil fiscaliza estabelecimentos comerciais no AM

    Objetivo é fiscalizar os estabelecimentos considerados não essenciais, mas que continuam funcionando de forma clandestina

    | Foto: Divulgação/SSP-AM

    Manaus- A operação contínua que fiscaliza os estabelecimentos comerciais, coordenada pela delegada geral, Emília Ferraz, e pelo diretor do Departamento de Polícia Metropolitano, Alessandro Albino, chegou na Zona Oeste de Manaus.

    A ação foi coordenada pelo delegado titular do 19° DIP, Guilherme Torres, e foi deflagrada na avenida Laguna, que se estende entre os bairros Planalto, Lírio do Vale, Alvorada e Nova Esperança.

    Segundo o delegado Guilherme Torres, a ação representa a continuidade do trabalho desenvolvido pela Polícia Civil nas últimas semanas, com o objetivo de fiscalizar os estabelecimentos considerados não essenciais, mas que continuam funcionando de forma clandestina, em desconformidade com decreto do Governo do Estado. O delegado também disse que a resposta da população tem sido positiva, sem resistência às determinações dos agentes policiais.

    “Essa fiscalização é constante. Passamos pelas áreas com maior aglomeração de pessoas e comércios. A maioria das lojas estava obedecendo à determinação do Governo do Estado, e as poucas que ainda estavam abertas foram fechadas”, ressaltou o titular.

    O Decreto nº 42.247 do Governo do Estado prorrogou até 13 de maio a suspensão do funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e de serviços não essenciais e destinados à recreação e lazer. Podendo funcionar, exclusivamente, para entregas em domicílio ou como ponto de coleta. Os estabelecimentos considerados essenciais são aqueles que se destinam ao abastecimento alimentar e farmacológico da população, tais como padarias, supermercados, drogarias e farmácias.

    Guilherme Torres também adverte que o próprio cidadão pode denunciar os estabelecimentos ou áreas comerciais que estejam descumprindo as determinações do Governo, com aglomeração de pessoas ou funcionamento irregular. As denúncias podem ser feitas pelo número 190.

    *Com informações da assessoria