Sem estrutura


"Chove mais dentro do que fora", denunciam PMs que trabalham na UPP

O vídeo mostra o momento em que a guarita da Unidade Prisional do Puraquequara, sem portas, é invadida pela água da chuva. O único jeito foi o policial subir em cima de cadeira para não se molhar

A guarita está em portas e depredada desde a última rebelião
A guarita está em portas e depredada desde a última rebelião | Foto: reprodução

Manaus – Policiais que atuam na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) denunciam a falta de infraestrutura para o trabalho na unidade. Segundo eles, as portas das guaritas foram retiradas após a última rebelião e, quando chove forte, os policiais precisam improvisar para não ficarem embaixo d'água. 

O vídeo mostra o momento em que um policial fica em cima de uma cadeira de plástico durante o temporal na tarde deste sábado (23). A água invade o local e policiais pedem resolução do problema e melhorias nas condições de trabalho. 

Veja o vídeo:

| Autor: Reprodução
 

Falta de estrutura

Condições precárias, falta de alimento e energia foram alguns dos motivos relatados pelos presos da unidade prisional na última rebelião, que aconteceu no início deste mês. Os presos reivindicavam melhorias e, ao mesmo tempo, destelharam a unidade prisional. Os objetos foram arremessados contra os policiais. 

O preso que gravou um vídeo falou: "Ninguém vai morrer não, a única coisa que a gente quer é reivindicar nossos direitos. Os irmãos ficam doentes aqui e ninguém vem nos auxiliar", reclamou o interno. Após quatro horas de rebelião a situação foi controlada. Foi descoberto também que as ameaças contra os funcionários e ações dos presos encobriam uma fuga em massa por túneis cavados pelos detentos da unidade.  

O pedido dos presos durante a rebelião era por melhorias na UPP
O pedido dos presos durante a rebelião era por melhorias na UPP | Foto: Yasmin Feitosa

Resposta sobre denúncia dos policiais

Em resposta, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que está trabalhando na recuperação dos espaços depredados durante a rebelião. As melhorias estruturais visam a segurança e a otimização das condições de trabalho dos policiais militares e colaboradores.