Fonte: OpenWeather

    prisões


    No AM, 32 pessoas são presas após receberem auxílio emergencial

    Todos foram presos em cumprimento a mandados de prisão e alguns já receberam até a segunda parcela do benefício do Governo Federal

    Titular da SSP e delegada-geral da PC durante coletiva de imprensa | Foto: Yasmin Feitosa/Em Tempo

    Manaus - A operação "Afronte ao Auxílio", coordenada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) e executada pela Polícia Civil do Amazonas, resultou na prisão de 32 pessoas que receberam o auxílio emergencial indevidamente. 

    Em coletiva na manhã desta segunda-feira (29), o secretário de Segurança Pública, Louismar Bonates, e a delegada-geral da Polícia Civil, Emília Ferraz, informaram que alguns suspeitos respondiam por homicídio.

    "Entre os nomes enviados pela Controladoria Geral da União, 32 tinham mandado de prisão em aberto por homicídio e tráfico, dos 15 eram relativos a homicídios e 13 por envolvimento com tráfico de drogas", disse o secretário de Segurança Pública.

    Os 32 mandados foram cumpridos apenas na primeira fase da operação e, segundo a delegada, além de responderem pelos delitos, os presos também deverão devolver o valor recebido.

    "Foram 28 presos até o momento, dos quais muitos homicidas com mais de um mandado. A CGU deve entrar com ação judicial pedindo ressarcimento do valor", disse a delegada.

    De acordo com a Controladoria da União, o objetivo principal da ação é coibir o pagamento indevido do Auxílio Emergencial a criminosos. Fato este que, segundo Bonates, é um trabalho que está sendo feito após o cadastro.

    "Estamos trabalhando junto com a CGU, mas, o volume de pessoas é muito grande, o que leva que esses "espertalhões" sejam beneficiados, o que estamos fazendo é, após o cadastro, tentar agilizar a fiscalização para saber se essas pessoas estão habilitadas ou não a receber", disse o secretário.

    Início das investigações

    As investigações teriam iniciado após os foragidos serem rastreados pela CGU, onde descobriram que estavam sendo procurados, sendo que alguns conseguiram receber até a 2° parcela do Auxílio Emergencial.

    Após a constatação do histórico de crimes dessas pessoas, as investigações iniciaram na segunda-feira (22), e ocorreram também em quatro estados brasileiros, como Paraná, Rondônia, Goiás e Paraíba.

    Procedimentos cabíveis

    Além de responderem pelos crimes que já estavam em aberto, os presos também deverão responder por falsidade ideológica e estelionato.

    Leia mais:

    Auxílio emergencial foi prorrogado? Valor pode ser de R$ 500 a R$ 300

    Auxílio emergencial cai hoje na conta de 6,5 milhões de pessoas

    32 pessoas são presas por receber auxílio indevidamente no AM