Fonte: OpenWeather

    Crime cibernético


    Amazonas tem 1,6 mil golpes na internet registrados em 2020

    A incidência desses casos, durante o primeiro semestre deste ano, está diretamente relacionada ao período de maior pico da Covid-19 no Amazonas

    Os criminosos aproveitaram que as pessoas estão mais tempo na internet para aplicar golpes | Foto: Divulgação

     Manaus - De janeiro a junho deste ano, o Amazonas registou 1.675 crimes cibernéticos. Os meses com maior incidência de registros foram maio (339 ocorrências) e junho (828 ocorrências). A grande quantidade de registros, nesse período, está relacionada ao isolamento social decorrente da pandemia da Covid-19, uma vez que mais pessoas estavam conectadas à internet e correram mais riscos no ambiente virtual.

    A delegada Ana Cristina Braga informa que entre os crimes virtuais mais comuns estão: invasão de dispositivos eletrônicos (hackeamento de dados), falsa identidade, crimes contra a honra, divulgação de notícias falsas (as chamadas fake News), bem como a divulgação de material íntimo ou com teor sexual sem o consentimento das vítimas.

    Em 2013, passou a vigorar a Lei 12.737, que alterou o Código Penal e trouxe a tipificação criminal das condutas, que a própria lei denomina de delitos informáticos, que consistem em violar a segurança de dispositivos informáticos a fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do proprietário. A pena para o crime prevê detenção de três meses a um ano, além de multa.

    A incidência desses casos, durante o primeiro semestre deste ano, está diretamente relacionada ao período de maior pico da Covid-19 no Amazonas, de abril ao mês de junho, quando as pessoas estavam em isolamento social, em casa, trabalhando em regime home office ou tendo aulas por meio das plataformas on-line.

    Orientações 

    Ana Cristina orienta a população para algumas medidas que podem aumentar a segurança no ambiente virtual, como não acessar redes de internet desconhecidas ou públicas, em Wi-Fi, e sempre utilizar senhas complexas para as redes sociais, de bancos ou demais contas, além de não deixar o smartphone sem bloqueio de tela e senha, pois ajuda a inibir a prática criminosa.

    “Jamais preencha algo que desconheça com os dados pessoais. E é necessário também instalar um bom antivírus no computador, e instalar somente aplicativos confiáveis, além de realizar a verificação de senhas em duas etapas. E nunca clicar em links desconhecidos recebidos por meio de grupos no WhatsApp, e-mail ou SMS”, alerta ela.

    *Com informações da assessoria