Fonte: OpenWeather

    Sem medo


    Assaltantes de velório são presos pela polícia no Jorge Teixeira

    Funcionário de funerária seria o chefe do grupo que realizou o assalto

    Trio foi preso depois de policiais ligarem para telefone de vítima roubada
    Trio foi preso depois de policiais ligarem para telefone de vítima roubada | Foto: Divulgação

    Manaus - Depois de assaltarem várias pessoas em um velório, os assaltantes Gilson de Carvalho Saraiva e Carlos Poltegar Souza Reis foram presos durante uma blitz policial na noite deste sábado (6), na Avenida Itaúba, no Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus.

    Além da dupla, Jefferson Guimarães Reis, que era funcionário do local onde o corpo estava sendo velado, também foi preso, segundo a polícia ele era o chefe e repassou as informações necessárias para o grupo.

    Segundo a polícia, Carlos e Gilson foram abordados por policiais durante uma blitz, eles estavam em um táxi. Com a dupla foi apreendido cerca de R$ 400, esse dinheiro teria sido supostamente conseguido com o assalto. 

    Leia também: Em Tempo cria lista de transmissão de notícias pelo WhatsApp

    Durante a revista, os policiais ainda encontraram um celular, que não era de nenhum dos dois. Eles resolveram então ligar, foi quando uma mulher atendeu e disse que foi vítima de um assalto em uma funerária na Zona Norte de Manaus.

    Em depoimento na delegacia a dupla confessou a participação de Jefferson, e disse que ele planejou toda a ação. Ainda segundo os assaltantes, o mandante pagaria R$ 200 para cada um. 

    Ainda de acordo com a polícia, foram encontrados com Jefferson uma quantia de R$ 600, que seria proveniente do assalto, que rendeu um prejuízo de R$ 1 mil para os que estavam no velório. 

    O caso foi registrado no 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP), os acusados devem passar por audiência de custódia nesta segunda (8). 

    Leia mais: 

    Exército apreende 1,2 tonelada de skunk na calha do rio Juruá

    Nacional está em fase de ajustes, diz novo técnico

    Atendimento ruim e preconceito afastam compradores