Execuções


Corpos fuzilados na BR-174 são identificados por familiares em Manaus

Vítimas foram encontradas mortas no ramal do Areal, na Zona Rural da capital

A suspeita é que o duplo homicídio tenha sido motivado por acerto de contas | Foto: Divulgação

Manaus - Os dois homens encontrados executados a tiros de fuzil, nesta quarta-feira (10), foram identificados entre a noite de ontem e a madrugada desta quinta (11). Segundo a polícia, as vítimas são o detento do regime semiaberto Erberson Braz da Silva, de 22 anos, e o ajudante de pedreiro Gracivaldo de Melo Garcia, de 35 anos. Os corpos deles foram encontrados no ramal do Areal, localizado nas proximidades do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), na BR-174, Zona Rural de Manaus. 

De acordo com a Polícia Civil, ainda não há informações a respeito da motivação e autoria dos crimes. Um investigador explicou que o local onde os corpos foram encontrados é rota de fuga de detentos do Compaj. A suspeita é que o duplo homicídio tenha sido motivado por acerto de contas. 

Leia também: Em Tempo cria lista de transmissão de notícias pelo WhatsApp

"Estamos levantando todas as informações a respeito das vítimas. As famílias também devem prestar depoimentos ao longo da semana que vem. O que sabemos é que o Eberson não havia retornado para o presídio no dia anterior ao crime", disse o investigador. 

Ainda segundo a polícia, Erberson foi atingido com seis tiros, a maioria na cabeça, que ficou parcialmente destruída. O corpo dele foi reconhecido pelo pai, por volta das 3h de hoje. Já Gracivaldo foi baleado com 10 tiros. A polícia suspeita que as vítimas foram torturas antes de serem executadas. No local, foram encontradas 18 cápsulas de fuzil modelo 556, além de roupas e materiais de higiene.

Os familiares das vítimas não foram encontrados para comentar o caso, que está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). 

Edição: Isac Sharlon

Leia mais:

Mulher é torturada por dez homens no dia do aniversário em Manaus

Incêndio destrói apartamento em condomínio na Zona Norte de Manaus

Idosa de 83 anos foi agredida e amarrada antes de ser morta em Manaus