Fonte: OpenWeather

    Notas da Contexto


    Amazonino Mendes joga sujo ao prever derrota

    Confira as Notas da Contexto da edição desta terça-feira do Jornal Em Tempo

    Ciente de que sua derrota está próxima, o governador Amazonino Mendes (PDT) está jogando sujo para tentar amenizar a “surra” que está prestes a tomar nas urnas
    Ciente de que sua derrota está próxima, o governador Amazonino Mendes (PDT) está jogando sujo para tentar amenizar a “surra” que está prestes a tomar nas urnas | Foto: Lion

    Ciente de que sua derrota está próxima, o governador Amazonino Mendes (PDT) está jogando sujo para tentar amenizar a “surra” que está prestes a tomar nas urnas e está fazendo um trabalho pesado de difamação da imagem de Wilson Lima (PSC), seu adversário neste segundo turno das eleições.

    Vários leitores procuraram a CONTEXTO para relatar que estão recebendo ligações telefônicas de números do exterior e, quando atendem, um homem começa a falar mal de Wilson Lima, dizendo que o candidato é envolvido com o tráfico de drogas e não tem preparo para governar o Estado.

    Desesperado, Amazonino não tem tido a hombridade de fazer uma autocrítica e entender que sua iminente derrota é pela desaprovação do povo à sua administração.

    Perdendo o tirocínio

    Em um vídeo que está circulando nas redes sociais, Amazonino critica o presidente do Grupo Raman Neves de Comunicação, do qual este jornal faz parte, Otávio Raman, e chamou o prefeito Arthur Neto de picareta.

    — O maior picareta que já apareceu no Amazonas, que se chama Arthur Virgílio Neto, um prefeito incompetente, incapaz e irresponsável –, afirmou.

    Falta respeito

    Não é assim que se trata institucionalmente o chefe de um poder.

    No calor da campanha política, isso é até compreensível, mas não se pode perder o respeito pelas instituições.

    Então responda, governador!

    Sobre os ataques ao empresário de comunicação, Otávio Raman disse que, antes de pensar em derramar seu veneno, como se todo mundo fosse desonesto e ele o suprassumo da honestidade, Amazonino deveria responder a cinco perguntas:

    — O governador diz que vive de pensão. E que pensão gorda é essa que permite pagar dez funcionários em sua casa?

    — Como consegue manter as cinco lanchas que ele possui?

    — Como mantém sua mulher nos Estados Unidos?

    — Como mantém a casa de seus filhos na Espanha?

    — Como paga as idas e vindas dele para o Sírio Libanês, em São Paulo?

    Inversão de valores

    A verdade é que as críticas de Amazonino a Arthur Virgílio cabem a ele próprio.

    Afinal, como alguém deixou a criminalidade crescer a níveis astronômicos e já fez mais de 600 dispensas de licitação?

    Isso sim é a comprovação de incompetência, incapacidade e irresponsabilidade.

    Mão da justiça

    O desespero o candidato do PDT saiu do palanque e chegou à esfera judicial.

    O Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) no Amazonas enviou notificações a Amazonino Mendes (PDT) para que preste informações a respeito da possível participação de servidores públicos em atos de campanha.

    Além da suposta divulgação fraudulenta de pesquisas por parte de apoiadores, condutas narradas em notícias de fato eleitorais encaminhadas ao órgão.

    Cooptação

    As representações apontam servidores da alta cúpula do governo participando de atos de campanha durante o horário de expediente. E há ainda informações sobre suposta divulgação fraudulenta de pesquisa, registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número AM-06317/2018.

    É crime

    O MP Eleitoral ressalta que a divulgação de pesquisa fraudulenta constitui crime, punível com detenção de seis meses a um ano e multa, conforme o artigo 33, parágrafo 4º, da Lei nº 9.504/97.

    Amém, irmão!

    No final de semana, Amazonino se reuniu com mais de dois mil pastores e membros do Ministério Internacional da Restauração (MIR), do apóstolo Rene Terra Nova.

    Na ocasião, o líder do MIR declarou apoio à reeleição do atual governador e afirmou que, no passado já discordou de Amazonino, mas passou a respeitá-lo “pela mente mudancista que transformou o Amazonas“.

    Milagre!

    Há alguns anos, Terra Nova era ferrenho crítico de Amazonino Mendes.

    Mas como o próprio líder religioso disse no evento, o Negão “mudou para melhor”, e o apóstolo se rendeu a seus encantos.

    Será?

    Fé remove montanha

    Esse amor todo tem uma explicação óbvia.

    O vereador Marcel Alexandre, que também é pastor do MIR, ingressou recentemente nas fileiras do PHS, onde, inclusive, foi candidato a deputado federal.

    E como todo mundo sabe, o PHS é da base de apoio de Amazonino.

    Você gosta das Notas da Contexto? Então leia mais:

    'Vou ganhar a eleição, tem aqui o Chicão', diz governador

    Na reta final, Amazonino atira pedras em todas as direções

    David diz adeus à Assembleia com pacote de bondades