Fonte: OpenWeather

    Notas da Contexto


    Negão não quer levantar da cadeira

    Ao fazer nomeação na área da educação, Amazonino Mendes é acusado por Serafim Correa de avançar sobre o governo de Wilson Lima

    Amazonino Mendes
    Amazonino Mendes | Foto: Lion

    Serafim Corrêa (PSB) acusou, nesta quinta-feira (20), o governador Amazonino Mendes (PDT) de avançar sobre o governo de Wilson Lima, que começa em janeiro, ao fazer nomeação na área da educação.

    O deputado se posicionou contrário à Mensagem nº 30/2018, enviada pelo governador, que indica o atual secretário estadual de Educação, Gedeão Amorim (PMDB), para ocupar a presidência do Comitê Gestor do Fundo de Incentivo de Cumprimento de Metas da Educação Básica no biênio de 2019-2020.

    — O decreto é uma tentativa inusitada do atual governo de controlar o governo Wilson Lima (PSC), e na gestão de Luiz Castro, nomeado para assumir a Secretaria de Educação do Estado (Seduc) –, cutucou Sarafa.

    Nem largar a caneta

    O líder do PSB foi ainda mais longe em sua crítica.

    Disse que fato está se tornando corriqueiro neste final de mandato.

    Há alguns dias, o governador nomeou membros da Secretaria do Estado da Fazenda (Sefaz) para o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, sem o consentimento do Poder Legislativo.

    — Daqui a pouco, ele vai baixar um decreto nomeando os secretários do próximo governo –, alfinetou Sarafa.

    Solidariedade

    O aplicativo de transporte 99 Pop irá converter as taxas arrecadadas durante as corridas desta sexta-feira (21) para as famílias vítimas do incêndio no Bairro do Educandos, ocorrido última segunda-feira (17).

    Miss simpatia

    Bonito o gesto da Miss Brasil 2018, a amazonense Mayra Dias.

    A moça demonstrou que é bonita por dentro e por fora, ao anunciar que, neste sábado (22), visitará o local onde aconteceu o incêndio no bairro Educandos.

    Vaquinha

    A Top 20 do Miss Universo também anunciou que está fazendo uma vaquinha online em suas redes sociais para ajudar as vítimas do incêndio.

    Além de visitar o local da tragédia, ela deverá ir a um dos abrigos provisórios e fará as doações que conseguiu arrecadar para a causa.

    Saideira

    O deputado Vicente Lopes (PV), que está deixando o Parlamento, pois não conseguiu se reeleger, deixa como legado um projeto importante.

    Foi aprovado Projeto de Lei de sua autoria, que incentiva geração o aproveitamento de energia solar no Amazonas.

    Energia limpa

    Aprovada por unanimidade, a proposta tem por objetivo criar uma política de incentivo às indústrias que fabricam equipamentos e componentes para esse tipo de energia limpa e barata.

    Baixou Tim Maia

    Durante a sessão plenária dessa quarta-feira (20), o deputado Sidney Leite (PSD) reclamou do som do plenário improvisado da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

    O colega Abdala Fraxe (Podemos) não perdeu a oportunidade e brincou:

    — Olha aí o deputado Tim Maia.

    Me dá retorno!

    A brincadeira arrancou risada dos presentes.

    O cantor Tim Maia era conhecido por reclamar constantemente do som em seus shows pelo Brasil a fora.

    — Alô, cara do som, cadê o retorno? Me dá me dá mais fio, pô! –, berrava o velho Tim.

    Improviso

    O plenário Ruy Araújo, da Aleam, está em reforma e, por isso, as sessões plenárias estão acontecendo de forma improvisada no auditório Belarmino Lins.

    Blocão de oposição

    Têm mudanças nos rumos políticos do país.

    As lideranças do PSB, PDT e do PCdoB na Câmara dos Deputados anunciaram nesta quinta-feira (20), por meio de nota conjunta, que formarão bloco de oposição ao governo Jair Bolsonaro na próxima legislatura.

    PT está fora

    Isso já vinha sendo discutido por esses partidos desde o resultado da eleição deste ano, que elegeu Bolsonaro presidente da República.

    O PT, adversário de Bolsonaro no segundo turno, não aderiu ao bloco de oposição na Câmara.

    Xaveco

    Pouco depois do anúncio do blocão PSB, PCdoB e PDT, o presidente eleito Jair Bolsobnaro publicou no Twitter:

    — Se essas legendas resolvessem me apoiar, “preocuparia o Brasi”.

    Começou a censura

    A pedido de generais que cuidam da segurança presidencial, o Supremo Tribunal Federal cancelou autorização que havia concedido às principais emissoras de TV para gravarem a posse de Jair Bolsonaro no topo de um de seus edifícios, junto à Praça dos Três Poderes.

    Generais intervieram

    A autorização foi dada em novembro, mas os militares apelaram à direção do tribunal sob o argumento de que era o único ponto vulnerável na segurança do evento.

    Você gosta das Notas da Contexto? Então leia mais:

    STF em rota de colisão

    Manaus solidária: população se une após dificuldades em incêndio

    Após diplomação, Wilson Lima começa um novo ciclo na política do AM