Fonte: OpenWeather

    Recesso Parlamentar


    CMM entra em recesso a partir desta segunda-feira (24)

    Sessões ficarão suspensas durante 20 dias. Gabinetes dos vereadores continuam funcionando normalmente

    A interrupção terá duração total de 20 dias. As atividades retornam no dia 15 de julho | Foto: Robervaldo Rocha/CMM

    Manaus - A partir da próxima segunda-feira (24), os trabalhos plenário Adriano Jorge estarão suspensos devido ao recesso parlamentar. No, local onde ocorrem as sessões plenárias semanais da Câmara Municipal de Manaus (CMM), a interrupção terá duração total de 20 dias. As atividades retornam no dia 15 de julho.

    Durante o recesso, no entanto, o trabalho nos gabinetes dos vereadores continua. Os parlamentares avaliam o desempenho da Casa de forma positiva. Pauta prioritária durante o primeiro semestre do ano, o Projeto de Lei (PL) que tratava da regulamentação dos transportes por aplicativo foi aprovado na última terça-feira (18).

    Para o vereador Sassá da Construção Civil (PT), o parlamento trabalhou em conjunto pela aprovação de projetos de construção de obras públicas, como creches, escolas e outros meios que possibilitam a geração de emprego e renda. Ele destacou que após o recesso vai continuar o trabalho em defesa dos trabalhadores de todos os segmentos, em especial os da construção civil, onde tem sua origem.

    “A construção civil é o setor mais que mais movimenta instantaneamente a economia do país. A minha prioridade de mandato é a geração de empregos. Onde tem emprego, tem dinheiro”, disse.

    Julho também será mês de recesso para a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam). Do dia 16 de julho até o dia 31 do mesmo mês, o plenário também não irá funcionar. Protagonista nas negociações entre Executivo estadual e professores durante a greve dos profissionais da educação em 2019, a Aleam ainda não sinalizou quais pautas devem ser priorizadas após o retorno as atividades.

    O líder da oposição, deputado Wilker Barreto (Podemos), afirmou que o primeiro semestre mostrou um trabalho profícuo da Assembleia apesar da falta de um líder do governo na Casa por mais de dois meses. O parlamentar frisou que uma das prioridades de todos os deputados é a defesa da Zona Franca de Manaus (ZFM)

    “Vale lembrar o esforço da Assembleia para dialogar com o governo. Acredito que foi a primeira vez na história que a Assembleia ficou dois meses sem um líder, fato que impediu um bom diálogo com o governo. Estamos focados nas investidas contra a nossa Zona Franca e como presido a Comissão de Indústria, Comércio e Zona Franca, vou me dedicar ainda mais em defesa da nossa economia” afirmou.

    Após o recesso, o parlamentar demonstrou preocupação em relação à economia do estado e apontou que a Casa não pode ignorar as medidas de austeridade não adotadas pelo governo de Wilson Lima (PSC). Para ele, é indispensável que se faça uma reforma urgente na máquina pública.

    “A preocupação é muito grande; estamos com a nossa economia no vermelho. Todos os deputados precisam olhar para o assunto. É a nossa Zona Franca sendo atacada de um lado e o governo, do outro lado, que não consegue adotar uma medida de economia. Pelo contrário, gasta mais do que deve. Está se implantando o medo nas pessoas que acreditam que podem ficar sem seus salários. Será um segundo semestre muito, mas muito, preocupante e temos que focar nos números. O cenário nacional é ruim, o local está ficando pior e o governador tem que aprender a olhar com carinho para a nossa economia e parar de gastar atabalhoadamente”, ponderou.

    A preocupação com a economia do estado se aprofundou após embate entre o parlamentar e o secretário da Secretaria de Fazenda (Sefaz), Alex Del Giglio, na última terça-feira (18), quando esteve na Aleam para prestar esclarecimentos aos parlamentares. Na ocasião, o parlamentar questionou a saúde das contas do governo e a postura de preferir pagar contas de anos como 2017.

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    MPF processa ex-prefeito de Anamã por fraudes em pagamentos

    Senadores do AM votam contra o decreto de armas de Bolsonaro