Fonte: OpenWeather

    Notas de Contexto


    'Empresas do PIM precisam contribuir contra a pandemia', diz deputado

    Sidney Leite diz que encaminhou carta a várias empresas conclamando-as a colaborar com o Estado neste momento difícil.

    | Foto: divulgação

    Donas de um faturamento da ordem de R$ 86,78 bilhões em 2019, as empresas do PIM (Polo Industrial de Manaus), precisam responder aos apelos de autoridades e políticos do Estado que clamam por mais auxílio emergencial nesta fase de grave crescimento da pandemia da Covid-19 no Amazonas.

    Preocupado com a situação, o deputado federal Sidney Leite (PSD), comentou à coluna: “Grandes empresas como a Coca-Cola, Samsung, Moto Honda, Ambev e LG poderiam estar viabilizando materiais e equipamentos como respiradores para UTIs e EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) para o enfrentamento da Covid-19”.

    Sidney diz que encaminhou carta a várias empresas conclamando-as a colaborar com o Estado neste momento difícil. “Enviei carta às empresas, tendo em vista que a ZFM está intrinsecamente ligada ao seu povo e nós não temos uma economia forte para garantir um povo doente e morrendo”.

    Sidney afirma que insistirá em seus apelos às empresas, “pois entendo tratar-se de um ato de reconhecimento ao Estado pelo que ele proporciona de receitas a essas empresas. Ao longo de anos, o modelo ZFM foi bom para o Amazonas, mas também foi muito bom para elas”.

    ‘Lockdown’ polêmico

    Um discurso da deputada Joana Darc (PL) agitou o plenário virtual da Assembleia Legislativa ontem sobre a adoção do isolamento máximo, ‘lockdown’, como medida desesperada para diminuir, em curto espaço de tempo, a escalada da Covid-19 no Estado.

    Após criticar as falsas notícias que tentaram envolver a gestão Wilson Lima com uma suposta adoção do ‘lockdown’, a parlamentar disse não descartar a medida como um ato extremo no enfrentamento da pandemia, mas recusou-se a corroborá-la agora.

    Para o presidente da Aleam, deputado Josué Neto (PSD), o Amazonas não está preparado para encarar a medida, e Mayara Pinheiro (Progressistas) foi a única a defender o ‘lockdown”, um remédio que, conforme ela, funcionou bem em alguns países europeus.

    Manaus e Fortaleza

    Na visão do infectologista Júlio Croda, as cidades de Manaus e Fortaleza estão no ponto de adotar o ‘lockdown” na batalha contra o coronavírus.

    Pesquisador da Fiocruz e ex-diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde durante a gestão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, o infectologista diz que essas cidades chegaram a uma situação extrema, tendo que recorrer ao isolamento radical, com a total paralisação dos serviços essenciais.

    “Não adianta isso”

    “Não adianta fazer isso no pico da curva, muitas vezes você vai ver uma queda que possivelmente não vai ser pelo lockdown”, garante Wanderson Oliveira, atual secretário de vigilância do Ministério da Saúde, rejeitando o isolamento extremo.

    “O crescimento dessa doença é exponencial. Chega em um ponto da curva em que não adianta mais fazer o lockdown porque a transmissão já está disseminada em uma região”, assinala, ressaltando que o momento exige, sim, respeito ao distanciamento social.

    Em uma situação de bloqueio total, a polícia controla a entrada e saída de cidadãos de suas casas. Apenas locais extremamente essenciais, a exemplo de farmácias, hospitais e supermercados ficam abertos.

    Wilson eleva o tom

    O governador Wilson Lima vai subir o tom em suas medidas rígidas contra a Covid-19, de acordo com o jornal O Estado de São Paulo.

    Dentre as medidas a serem anunciadas destaca-se o uso obrigatório de máscaras em estabelecimentos comerciais (supermercados, farmácias, etc), com aplicação de multa para quem desobedecer a norma.

    Tarifa Social

    Em tempos de pandemia, o deputado estadual Belarmino Lins destacou ontem Medida Provisória do presidente Jair Bolsonaro que isenta os consumidores de baixa renda do pagamento das contas de luz.

    A medida alcança 81 mil famílias consumidoras beneficiárias da Tarifa Social em todo o Estado do Amazonas.

    Pacto da governança

    Com o colapso do sistema de saúde no Amazonas, o deputado Serafim Corrêa (PSB) propôs um urgente pacto de governança entre os poderes para unificar forças no enfrentamento da Covid-19.

    O parlamentar não vê outra saída que não uma união entre Governo do Estado, Assembleia Legislativa, Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas, Tribunal de Justiça, Defensoria Pública e Prefeitura de Manaus.

    Nicolau quer CPI

    Recuperando-se de Covid-19, o deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) postou vídeo em suas redes sociais propondo a criação de uma CPI na Assembleia Legislativa para investigar supostas irregularidades envolvendo remédios, insumos e materiais hospitalares.

    Licenciado sem remuneração do mandato para coordenar o Hospital de Campanha da Prefeitura de Manaus desde o dia 15 deste mês, Nicolau acha que comerciantes desonestos estão se aproveitando do clima de pandemia para cometer atos de corrupção que precisam ser averiguados.

    Se nenhum outro parlamentar topar bancar a CPI, Nicolau diz que ele próprio fará isso, tão logo retorne às suas funções parlamentares na Aleam.

    Coari sob toque

    Após 58 casos de Covid-19, o prefeito Adail Filho resolveu decretar toque de recolher entre às 20 horas da noite e 6 horas da manhã, em Coari, no Médio Solimões.

    Com a medida, o prefeito espera barrar a disseminação da doença, de forma descontrolada no município.

    Risco na orla

    A movimentação de pessoas nos flutuantes da orla de Manaus, conforme a deputada Therezinha Ruiz (PSDB), é um grande risco de contágio pela Covid-19.

    Ela pediu o apoio da Marinha do Brasil para disciplinar o movimento nos flutuantes e à Vigilância Sanitária para inspecionar os locais de aglomeração na orla de Manaus.

    Fundo Amazônia

    Para o senador Plínio Valério (PSDB), a cúpula do Fundo Amazônia precisa rever, com urgência, os conceitos de funcionamento do órgão, a fim de poder atender emergencialmente as demandas pertinentes ao combate à Covid-19.

    Em documento enviado ao presidente do BNDES, Gustavo Montezano, o senador mostrou sua preocupação enfatizando que os recursos milionários do Fundo devem agora ser direcionados à luta contra o coronavírus.

    O Fundo possui recursos da ordem de R$ 687.310.502,37 para investimentos na Amazônia envolvendo os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

    Alerta vermelho

    A ocorrência de casos de Covid-19 entre grupos indígenas de São Gabriel da Cachoeira levou o deputado Sinésio Campos a fazer preocupante alerta ontem na sessão virtual da Assembleia Legislativa.

    Se não houver medidas rápidas, a doença poderá se alastrar com força devido à alta sensibilidade dos indígenas aos surtos de gripe.

    Uma tragédia de graves proporções pode estar a caminho, avisa Sinésio.