Fonte: OpenWeather

    Eleições 2020


    Manaus já tem 19 pré-candidatos a prefeito para a eleição deste ano

    Partidos vão movimentar o cenário eleitoral até o dia 5 de agosto, a fim de definir os nomes nas convenções partidárias

    Jogo de nomes ainda pode mudar até as últimas horas do prazo final da convenção partidária | Foto: Divulgação

    Manaus – Entre movimentos de desincompatibilização, filiações e articulações políticas partidárias, Manaus conta hoje com o total de 19 pré-candidatos para disputar a cadeira do executivo municipal nas eleições deste ano. Ainda sem nova data definida para o dia da votação, pela regra eleitoral, as legendas partidárias tem até o dia 5 de agosto para realizarem as suas convenções e definirem os seus nomes para a disputa.

    Entre os nomes da lista recorde de candidatos estão David Almeida (Avante), Amazonino Mendes (Podemos), José Ricardo (PT), Capitão Alberto (Republicanos), Marcos Rotta (DEM), Ricardo Nicolau (PSD), Conceição Sampaio (PSDB), Caroline Braz (PSC) e Liliane Araújo (PSL). A lista segue com Hissa Abraão (PDT), Marcelo Amil (PCdoB) e Jonas Araújo (Psol), Delegado Péricles (PSL), Romero Reis (Novo), Alfredo Menezes (Patriotas), Chico Preto (DC), Delegado Pablo (PSL), Felipe Souza (Patriota) e Josué Neto (PRTB).

    O ex-governador David Almeida foi um dos primeiros nomes a confirmar pré-candidatura
    O ex-governador David Almeida foi um dos primeiros nomes a confirmar pré-candidatura | Foto: Divulgação

    Nessa corrida que ainda devem ser apresentados mais nomes nas próximas semanas, nos bastidores já se ventilam possíveis coalizações entre os pré-candidatos com espectro político mais central como Davi Almeida, Marcos Rotta, Ricardo Nicolau, bem como Conceição Sampaio, Caroline Braz e Liliane Araujo. Candidaturas e o apoio político de partidos como MDB, PP e PL, ainda estariam em aberto.

    José Ricardo venceu disputa interna no PT contra Sinésio Campos
    José Ricardo venceu disputa interna no PT contra Sinésio Campos | Foto: Divulgação

    O especialista político Jack Serafim explica que o “Centrão” é pragmático por tradição e sempre tende a estar mais próximo do poder. “É fundamental que se tenha o maior arco de apoio possível, não existe garantia de vitória para quem é apoiado por líderes políticos no atual comando, é preciso trazer consigo mais apoio para dialogar com a população manauara”, defende.

    Alberto Neto é um dos pré-candidatos da direita que disputam preferência de Bolsonaro
    Alberto Neto é um dos pré-candidatos da direita que disputam preferência de Bolsonaro | Foto: Divulgação

    O analista político Helso Ribeiro diz que dificilmente seria possível criar uma coalização dos partidos de esquerda, encabeçada por José Ricardo, com Hissa Abraão, Marcelo Amil e Jonas Araújo. “Isso acontece por conta da disputa interna do PT, que precisou de intervenção da Direção Nacional. Além disso, o petista tem dificuldade em manter diálogo com outras legendas. Até Sinésio Campos já declarou que não apoiará o correligionário”, comentou Ribeiro.

    Conceição Sampaio é a aposta do prefeito Arthur Neto
    Conceição Sampaio é a aposta do prefeito Arthur Neto | Foto: Divulgação

    José Ricardo disse ser importante compor uma chapa de esquerda, com um plano de trabalho coerente. “A direita já está fragmentada, e os políticos tradicionais estão sem credibilidade. Meu esforço vai ser para buscar apoio com partidos e nos setores da sociedade que buscam mudanças”, afirmou o petista.

    Caroline Braz deixou o governo Wilson, para o projeto pessoal
    Caroline Braz deixou o governo Wilson, para o projeto pessoal | Foto: Divulgação

    O recém chegado ao PCdoB, o advogado Marcelo Amil, também não descarta uma frente ampla. Para ele a esquerda deve aderir à unidade para isolar Bolsonaro. “O PCdoB sempre foi exímio o diálogo, e se alguém do chamado ‘Centrão’ enxergar no nosso campo, viabilidade e quiser somar, em defesa da democracia, esse alguém deve sim ser recebido, mas com a consciência de que há valores que são inegociáveis e há posições que devem sempre ser reafirmadas”, observou.

    À direita

    Para o cientista político Carlos Santiago, a tônica de polarização entre esquerda e direita, que ditou as eleições em 2018 não deve influenciar o cenário local neste ano. “Já tivemos candidatos apoiados por ex-presidentes que não foram eleitos. As pessoas procuram candidatos que melhor traduzam o sentimento de unidade, renovação política, ou experiência”, avaliou.  

    Depois de perder a Suframa, Alfredo Menezes foi para o tudo ou nada
    Depois de perder a Suframa, Alfredo Menezes foi para o tudo ou nada | Foto: Divulgação

    No entanto, a polarização segue ganhando adeptos entre os candidatos da direita, como o deputado federal Capitão Alberto Neto, o deputado estadual Delegado Péricles, o empresário Romero Reis, o ex-titular da Suframa Alfredo Menezes, o vereador Chico Preto, o deputado federal Delegado Pablo, bem como os deputados estaduais Felipe Souza e Josué Neto. Todos eles, antes da eleição, disputam o apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

    Alberto Neto diz que pretende dialogar com os demais postulantes para formar uma chapa de direita. “Vou lutar para unir um nome principal e vice. O intuito é ganhar força e levar um projeto que torne Manaus uma cidade atrativa para novos negócios, que melhore a vida da população em pontos como saneamento e infraestrutura”, disse.

    Romero Reis também disputa o apoio do presidente Bolsonaro
    Romero Reis também disputa o apoio do presidente Bolsonaro | Foto: Divulgação

    Romero declarou que a eleição possui dois turnos, justamente para que o eleitor tenha opções e compare as propostas. “É preciso resolver o transporte coletivo, dar mais segurança para as pessoas e ter uma administração que tenha obsessão em ajudar a criar empregos. Já abrimos mão do ‘fundão’ eleitoral e não negociamos alianças em troca de voto ou poder”, afirmou.

    Sobre alianças, Péricles ressalta que é preciso separar quem de fato é direita ou apenas tem utilizado a narrativa para se fortalecer. “Acho prematuro assumir qualquer apoio a pré-candidatos. Caso a real direita venha para a disputa, sem dúvida virá forte e com os aliados certos. Se eu decidir apoiar alguém, será após considerar suas características como gestor, sua idoneidade, caráter, e sua real intenção”, disse.