Fonte: OpenWeather

    Eleições 2020


    David afirma em entrevista que 'grupo de Amazonino está desesperado'

    O candidato apontou que a turma apoiadora do adversário "é formada por gângsters" que tentam manchar sua honra

    David ressaltou que a está cansada de mentiras e promessas não cumpridas
    David ressaltou que a está cansada de mentiras e promessas não cumpridas | Foto: Divulgação

    Manaus – O candidato que segue em disputa no segundo turno da corrida pela Prefeitura de Manaus, David Almeida (Avante), afirmou na manhã desta segunda-feira (23), durante entrevista para uma rádio de Manaus que a equipe do adversário Amazonino Mendes (Podemos) está “desesperada", pois o povo acordou para as mentiras”. 

    David afirmou ainda que a turma apoiadora "é formada por gângsters" e tentam, a todo custo, manchar sua honra por ele não ter aceitado, por três vezes, ser vice na chapa do adversário.

    David Almeida também falou sobre as intensas fake news que, segundo o candidato, vem sofrendo constantemente. 

    "Não tenho o apoio de nenhuma das máquinas e quero ressaltar que sou umbilicalmente contra esses políticos, particularmente o Amazonino Mendes, porque ele já teve as maiores oportunidades para resolver os problemas da cidade, mas não o fez. São pessoas sem escrúpulos, que atacam a honra de quem quer que atravesse o seu caminho, que se oponha aos seus métodos sujos de agir", disse ele. 

    David relembrou que vem lutando contra todos os caciques e fez questão de destacar que não tem o apoio das máquinas públicas nessas eleições porque não quis. 

    Ao falar sobre o segundo turno, David destacou que "vê o futuro repetir o passado" e lembrou que, nas eleições de 2018, Amazonino teve 22% dos votos em Manaus, já David, 21%. Agora, novamente a história se repetiu no primeiro turno da corrida pela Prefeitura de Manaus, com Amazonino conseguindo 23% dos votos válidos; e ele, 22%.

    "A população já disse não aos caciques em 2018 e fez isso novamente no primeiro turno. A população está cansada de promessas não cumpridas, da falta de saúde, de transporte coletivo decente, de segurança, de educação e de ser enganada por esses caciques", disse ele.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Jair Bolsonaro pode não se filiar ao partido que criou

    Ministério reconhece estado de calamidade pública no Amapá