Fonte: OpenWeather

    Tributo


    Reajuste sobre o IPTU, concedido na gestão de Arthur será revogado

    Na próxima segunda-feira (15) o Executivo municipal deve enviar à CMM, um Projeto de Lei (PL), para que sejam revogados os efeitos da lei anterior

    O prefeito de Manaus, David Almeida, tornará sem efeito a lei de autoria do ex-prefeito Arthur Neto | Foto: Divulgação

     

    O prefeito de Manaus, David Almeida, tornará sem efeito a lei de autoria do ex-prefeito Arthur Neto
    O prefeito de Manaus, David Almeida, tornará sem efeito a lei de autoria do ex-prefeito Arthur Neto | Foto: Divulgação


    O prefeito de Manaus, David Almeida, tornará sem efeito a lei de autoria do ex-prefeito Arthur Neto, que reajusta em 40% o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), para o setor comercial. O reajuste sobre a alíquota do tributo foi aprovado pela Câmara Municipal de Manaus (CMM), na legislatura de 2019.

    “A lei aprovada pela gestão anterior é completamente inviável. É insustentável diante do momento em que estamos passando. Determinei à Casa Civil e à Secretaria de Finanças que de imediato busquem os meios legais para suspender os efeitos dessa lei”, disse o prefeito David Almeida.

    Em meio à crise gerada pelo novo coronavírus, para o prefeito de Manaus, qualquer reajuste tributário sobre o setor comercial é inviável.  Como forma de ajudar os contribuintes nesse momento difícil, David Almeida já havia prorrogado o pagamento do IPTU de março para abril deste ano, além de conceder desconto de 10% para os pagamentos em cota única.

    Na próxima segunda-feira (15) o Executivo municipal deve enviar à CMM, um Projeto de Lei (PL), para que sejam revogados os efeitos da lei anterior, que concede o reajuste de 40% no IPTU do setor comercial. Ainda neste sábado, 13, a Casa Civil publicará um decreto suspendendo parcialmente os efeitos do reajuste.

    *Com informações da assessoria

    Leia Mais:

    Bolsonaro altera decretos para ampliar acesso a armas de fogo

    Projeto recria programa de manutenção do emprego por mais 180 dias

    Criminalização dos 'fura-filas' vai ser analisada pelo Senado