Fonte: OpenWeather

    Redução


    Decreto que prejudica polo de bicicletas é tema de debate na Aleam

    A resolução foi publicada nesta quinta-feira (18), no Diário Oficial da União e reduzirá alíquota, que era de 35% para 30% e, até dezembro, sofrerá duas novas reduções até chegar a 20%

     

    | Foto: Divulgação

    Manaus - O decreto que prejudica o polo de bicicletas foi tema de debate na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), na manhã desta quarta-feira (18). 

    O deputado estadual, Álvaro Campelo (Progressistas), manifestou-se de forma contrária à resolução anunciada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), que barateia o custo de importação de bicicletas por meio da redução do imposto cobrado.

    O parlamentar questionou a medida que, segundo ele, vai resultar em mais demissões, além de diminuir a arrecadação, impactando diretamente o Polo Industrial de Manaus e a economia do Amazonas, que já sofre em consequência da pandemia.

     

    | Foto: Divulgação

    “Nós estamos falando aí de aproximadamente 5 mil empregos diretos e indiretos que podem ser extintos, porque não haverá competitividade. O imposto vai ser reduzido de acordo com o decreto progressivamente, saindo de 30% para 20% até dezembro. Isso vai exterminar o polo de bicicletas no estado do Amazonas, vai fazer com que o produto estrangeiro seja muito mais competitivo e isso vai representar a perda desses empregos e, certamente, uma situação ainda mais catastrófica do ponto econômico para o nosso estado, que já vem sofrendo muito com a pandemia e com o lockdown. Eu já sei que há uma movimentação por parte da bancada do Amazonas e esta Casa tem que se somar nesse sentido para evitar que essa tragédia aconteça”, defendeu Álvaro Campelo.

    A resolução foi publicada nesta quinta-feira (18), no Diário Oficial da União e reduzirá alíquota, que era de 35% para 30% e, até dezembro, sofrerá duas novas reduções até chegar a 20%.

    Leia mais:

    Polo Industrial de Manaus produz cerca de 57 mil bicicletas em janeiro

    Sem tratamento diferenciado, reforma tributária pode acabar com a ZFM

    Na Zona Franca, produção de motocicletas cresce 14,5% em novembro