Fonte: OpenWeather

    Comissão Parlamentar


    Aleam aprova criação de CPI da Amazonas Energia

    A Comissão deve investigar a violação dos direitos básicos dos consumidores amazonenses nos serviços públicos prestados pela empresa, tendo em vista os constantes apagões no fornecimento de energia elétrica do estado

     

    Agora, a Aleam terá 120 dias para investigar as possíveis omissões e responsabilidades da concessionária frente aos apagões, perda de energia, aumento de tarifa, precariedade na manutenção e ampliação das redes elétricas que ocasionam graves transtornos para a população amazonense.
    Agora, a Aleam terá 120 dias para investigar as possíveis omissões e responsabilidades da concessionária frente aos apagões, perda de energia, aumento de tarifa, precariedade na manutenção e ampliação das redes elétricas que ocasionam graves transtornos para a população amazonense. | Foto: Divulgação


    Manaus (AM) - Nesta semana, a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) aprovou o pedido para abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as possíveis irregularidades na geração e distribuição de energia elétrica, no Amazonas. O pedido é de autoria do deputado estadual Sinésio Campos (PT), e também conta com as assinaturas dos deputados Dermilson Chagas (Podemos), Fausto Junior (MDB), João Luiz (Republicanos), Roberto Cidade (PV), Serafim Corrêa (PSB), Therezinha Ruiz (PSDB) e Wilker Barreto (Podemos). 

      Nesta quarta-feira (1), o presidente da Aleam, deputado Roberto Cidade (PV), informou aos parlamentares que abriu o prazo de 24h para que as lideranças partidárias indiquem o nome dos seus respectivos representantes para compor a Comissão. Seguindo o rito legislativo, o presidente destacou que as indicações devem ser encaminhadas por meio dos expedientes digitais e protocoladas, junto à Diretoria de Apoio ao Legislativo.  

    “Amanhã, às 10h30min, serão conhecidos os cinco nomes que irão compor a CPI , a partir disso, será instalada”, esclareceu, falando ainda que o objetivo inicial é investigar a violação dos direitos básicos dos consumidores amazonenses nos serviços públicos prestados pela empresa Amazonas Energia, como os constantes apagões no fornecimento de energia elétrica, por parte da concessionária tanto na capital Manaus quanto nos municípios do interior do Estado.

    A criação da Comissão tem como objetivo apurar irregularidades no fornecimento de energia elétrica por parte da concessionária Amazonas Energia que, segundo os parlamentares, ocasionam, além de perdas econômicas, graves transtornos para a população consumidora na capital e nos municípios do interior do estado.

    "

    Queremos saber o motivo da Amazonas Energia apresentar tanto problema no fornecimento elétrico, no Estado. Como está sendo aplicado o dinheiro do programa Social Luz Para Todos? O intuito da privatização não era a melhoria do serviço? Essa empresa virou uma caça níqueis, tanto que abriu uma agência em, praticamente, todos os bairros de Manaus. Todos nós, deputados, quando vamos ao interior, ficamos penalizados e as pessoas cobram da gente "

    , apontou Sinésio.

     

    Ainda de acordo com o parlamentar, o caso tem sido grave para comunidades que chegam a ficar até 15 dias sem energia elétrica.

    "[As pessoas] estão perdendo a casa de farinha mecanizada, pescado e polpas de fruta. Nós repercutimos isso na tribuna, entretanto, parece que ficamos na falação e eu não sou muro de lamentações. Essas empresas têm concessão pública e por esse motivo devem prestar contas junto à sociedade”, defendeu Sinésio. 

    Agora, a Aleam terá 120 dias para investigar as possíveis omissões e responsabilidades da concessionária frente aos apagões, perda de energia, aumento de tarifa, precariedade na manutenção e ampliação das redes elétricas que ocasionam graves transtornos para a população amazonense. 

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Sem liberação do Implurb, bolsonaristas confirmam ato na Ponta Negra

    Em menor número, indígenas ainda acampam no DF contra Marco Temporal

    Presidente da Aleam se cala sobre falta de transparência de gastos