Fonte: OpenWeather

    Juventude


    PL sobre prevenção de acidentes com crianças vira Lei Municipal

    O número alto de crianças hospitalizadas no Brasil é uma das justificativas para a implementação da lei

     

     

    Descarga elétrica está entre os acidentes mais comuns entre crianças
    Descarga elétrica está entre os acidentes mais comuns entre crianças | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Nesta quinta-feira (9), foi sancionada pelo prefeito de Manaus a Lei Municipal N. 2.777, que institui Semana Municipal da Prevenção de Acidentes com Crianças. Passando a integrar o calendário oficial da cidade, ela deve ocorrer anualmente na quarta semana do mês de agosto.

    De autoria da vereadora Glória Carrate (PL), a lei aborda assunto de extrema importância e precisa ser discutido de forma mais ampla em Manaus, pois conforme dados do Ministério da Saúde, nos últimos dez anos inúmeras crianças morreram em acidentes ou foram hospitalizadas por acidentes que poderiam ser evitados.

    No Brasil, em média, 111 mil são crianças são hospitalizadas só na rede pública de saúde por esse motivo. Em todo o mundo, 1 milhão de crianças morrem por causas acidentais anualmente, o que é considerado uma epidemia global, segundo a Safe Kids Worldwide.

    "

    Fico feliz de contribuir para que o assunto seja amplamente debatido em nossa cidade. Precisamos alertar a população sobre a ocorrência desses acidentes e proteger a integridade física de nossas crianças. É extremante necessário refletir, debater e dar visibilidade a experiências e medidas a voltadas a evitar ou diminuir os mais comuns acidentes com crianças "

    , destacou a vereadora autora da Lei.

     

    Entre os acidentes mais comuns com crianças estão: sufocação, afogamento, atropelamento, queimadura, queda, intoxicação, descarga elétrica, disparo de arma de fogo, choque de veículos e outros.

    *Com informações da CMM

    Leia mais:

    "STF não se destrói", diz Cármen Lúcia, sem citar Bolsonaro

    Câmara aprova novas regras para distribuição de “sobras” eleitorais

    Julgamento do Marco Temporal é adiado novamente pelo STF