Fonte: OpenWeather

    Câmara Municipal


    Aluguel de pick-ups para vereadores é suspenso pela Câmara de Manaus

    Os 41 carros estavam em processo de licitação para uso de integrantes da Mesa Diretora da CMM, assim como presidentes e vices de comissões

      

    | Foto: Divulgação

    MANAUS (AM) - A polêmica envolvendo as últimas solicitações de vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) ganhou mais um capítulo nesta sexta-feira (17). Os dois vereadores que fazem oposição a obra do "puxadinho" de R$ 32 milhões, Rodrigo Guedes (PSC) e Amom Mandel (sem partido) pressionaram a Casa para que a licitação de picapes de luxo fosse suspensa, através de uma possível judicialização do tema. 

    A decisão por suspender o edital dos carros de luxo foi publicada logo após a Justiça do Amazonas impedir temporariamente a licitação do prédio anexo na CMM, apelidado de puxadinho com orçamento de mais de R$ 30 milhões. Os vereadores Amom Mandel e Rodrigo Guedes comemoraram o feito através das redes sociais.

    Contando com apoio majoritário da CMM, o presidente da Casa, vereador David Reis (Avante), segue defendendo a obra do prédio anexo e as picapes de luxo. Ele argumenta que as solicitações fazem-se necessárias para o pleno exercício do trabalho como vereador. 

     

    Os vereadores Amom Mandel (sem partido) e Rodrigo Guedes (PSC) travam batalha contra as solicitações milionárias da CMM
    Os vereadores Amom Mandel (sem partido) e Rodrigo Guedes (PSC) travam batalha contra as solicitações milionárias da CMM | Foto: Divulgação

    "Não existe equidade na ocupação dos gabinetes parlamentares. Alguns vereadores ocupam gabinetes com, em média, 30 metros quadrados. Mas existem outros, cujo espaço do local de trabalho é de pouco mais de 25 metros quadrados. A maioria deles precisa manter estruturas externas para abrigar suas equipes e realizar atendimento. Também falta espaço para abrigar as comissões permanentes", disse em entrevista ao EM TEMPO na última semana. 

    Leia mais:

    URGENTE: Justiça barra construção de "puxadinho" na Câmara de Manaus

    População reprova "puxadinho" de R$ 32 milhões na Câmara de Manaus